Busca avançada
Ano de início
Entree

A circulação de notícias na segunda metade do século XVII na Península Ibérica: as publicações periódicas e não-periódicas e seus impressores

Processo: 16/07247-0
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2016
Vigência (Término): 30 de novembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História Moderna e Contemporânea
Pesquisador responsável:Ana Paula Torres Megiani
Beneficiário:Caroline Garcia Mendes
Supervisor no Exterior: José Manuel Santos Pérez
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Universidad de Salamanca (USAL), Espanha  
Vinculado à bolsa:14/23614-7 - Os periódicos e a circulação de notícias na Península Ibérica na segunda metade do século XVII, BP.DR
Assunto(s):História ibérica   História da escrita   Periódicos   Século XVII

Resumo

Desde meados do século XVI centenas de notícias nutrem as páginas de folhetos, relações de sucesso, diários etc., material que não possuía periodicidade e que se publicava nas principais cidades e mercados, para uma clientela interessada principalmente em novidades relativas ao governo e a guerra. Entre os anos 30 e 60 do século XVII, contudo, inicia-se em diferentes países da Europa a produção das chamadas Gazetas e Mercúrios, cujo intuito é circular pelas principais cidades do continente de maneira periódica, apresentando um nome fixo, normalmente os mesmos redatores e impressores, e também contar com uma série de publicações passíveis de encadernação no decorrer de um certo período. Os papeis não-periódicos, porém, continuam a ser produzidos, muitas vezes impressos pelas mesmas pessoas que produziam as gazetas e abastecendo-as com novas manuscritas, advindas de várias partes do mundo. Ao iniciarmos nossa pesquisa, nos demos conta de que o periódico em si era apenas a conclusão, o encerramento de algo mais complexo, em que a informação poderia vir de terras distantes e ter passado por muitas mãos até transformar-se em um impresso difusor de notícias. Há por detrás dele, leis que permitem ou não sua publicação, editores que compilam dezenas de notícias impressas e manuscritas - as transcrevendo ou traduzindo, mas também adequando-as à proposta daquele periódico -, redes de informação que perpassam o continente, impressores, etc. Ainda que haja certo material disponível online, percebemos que a pesquisa nos acervos ibéricos e a consulta à bibliografia europeia serão fundamentais para nosso trabalho, trazendo uma nova dimensão ao que propomos realizar. A presente proposta visa, dessa forma, justificar a importância do estágio de pesquisa na Espanha para melhor desenvolvimento de nosso projeto de doutorado. (AU)