Busca avançada
Ano de início
Entree

Delineamento de novas estratégias terapêuticas, baseadas em reconhecimento de carboidratos, contra a criptococose

Processo: 16/04877-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2016
Vigência (Término): 02 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Aplicada
Pesquisador responsável:Maria Cristina Roque Antunes Barreira
Beneficiário:Thiago Aparecido da Silva
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):16/23044-1 - Células t engenheiradas para expressar o domínio de reconhecimento de carboidrato de ArtinM para ativar macrófagos e combater a criptococose, BE.EP.PD
Assunto(s):Imunoterapia   Imunomodulação   Lectinas

Resumo

A espécie Criptococcus gattii é encontrada nas zonas climáticas tropical, subtropical e temperada; causa criptococose em indivíduos imunocompetentes e saudáveis, incluindo crianças. A infecção é ocasionada pela inalação de esporos e leveduras de C. gattii. Esse patógeno tem predileção pelo pulmão, sendo possível disseminar para o SNC. A patogênese da doença é influenciada por fatores de virulência do fungo, principalmente por sua cápsula polissacarídica. C. gattii tem a capacidade de subverter a resposta das células da imunidade inata, reduzindo a atividade microbicida dos fagócitos e a resposta adaptativa mediada por células T helper CD4+ (Th) do tipo 1 e 17, que atuam na resposta efetora contra a criptococose. O tratamento estabelecido da doença constitui de drogas antifúngicas; entretanto, relata-se toxicidade e a limitação em eliminar o C. gattii dos órgãos afetados. A imunoterapia tem sido proposta como alternativa para reverter a subversão da resposta imune provocada por C. gattii. O direcionamento adequado da resposta pode ser conseguido por agentes imunomoduladores, tendo receptores da imunidade inata como potenciais mediadores. Esse efeito imumomodulador pode ser promovido por lectinas, que reconhecem N-glicanas de receptores do tipo Toll (TLRs) e desencadeiam a ativação. Esse mecanismo é descrito para lectinas estudadas por nosso grupo, que direcionam uma imunidade efetora Th1 e Th17 resultando na proteção contra infecções, como a causada por Paracoccidioides brasiliensis e Candida albicans. Essas evidências suportam a capacidade das lectinas em modular adequadamente a resposta imune contra infecções fúngicas, uma interessante estratégia terapêutica contra a criptococose. Propomos assim, delinear estratégias terapêuticas para combater a infecção por C. gattii com base no reconhecimento, por lectinas, de glicanas associadas a receptores expressos em células da imunidade. Nesse sentido, as lectinas ArtinM, Paracoccina, ConA, PHA-L e WGA, que reconhecem carboidratos de tais receptores, serão ensaiadas quanto ao efeito imunomodulador exercido em modelos de infecção in vitro e in vivo. Para tanto os seguintes parâmetros serão analisados: atividade fagocítica e killing das células da imunidade; níveis de citocinas e quimiocinas produzidas; mensuração de espécies reativas de oxigênio e nitrogênio; expressão de moléculas coestimuladoras; expressão relativa de marcadores de polarização dos macrófagos e células T CD4+; fosforilação de moléculas da via de sinal de TLR, níveis de expressão de fatores de virulência do C. gattii; níveis de GXM; histopatologia; perfil celular do infiltrado inflamatório; carga fúngica em órgãos; curva de sobrevida. De maneira inovadora, células T serão modificadas pela expressão de receptores antigênicos quiméricos (CAR) que conterão o CRD das lectinas, possibilitando a interação com glicoalvos e a consequente ativação de células inata e adaptativa. Essa estratégia será avaliada in vitro, após infecção por C. gattii, tendo o co-cultivo de macrófagos e células T modificadas. Em seguida, análise de viabilidade das células fúngicas, perfil de citocinas e quimiocinas secretadas, liberação de espécies reativas de oxigênio e nitrogênio, liberação do conteúdo de grânulos de perforina e granzima, níveis de expressão de fatores de virulência do C. gattii. Os resultados obtidos orientarão a abordagem a ser utilizada em modelos de infecção in vivo.

Publicações científicas (6)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MARTINS OLIVEIRA-BRITO, PATRICIA KELLEN; ROQUE-BARREIRA, MARIA CRISTINA; DA SILVA, THIAGO APARECIDO. The Response of IL-17-Producing B Cells to ArtinM Is Independent of Its Interaction with TLR2 and CD14. Molecules, v. 23, n. 9 SEP 2018. Citações Web of Science: 0.
MARTINS OLIVEIRA BRITO, PATRICIA KELLEN; GONCALVES, THIAGO ELEUTERIO; FERNANDES, FABRICIO FREITAS; MIGUEL, CAMILA BOTELHO; RODRIGUES, WELLINGTON FRANCISCO; LAZO CHICA, JAVIER EMILIO; ROQUE-BARREIRA, MARIA CRISTINA; DA SILVA, THIAGO APARECIDO. Systemic effects in naive mice injected with immunomodulatory lectin ArtinM. PLoS One, v. 12, n. 10 OCT 30 2017. Citações Web of Science: 2.
DA SILVA, THIAGO APARECIDO; ZORZETTO-FERNANDES, ANDRE L. V.; CECILIO, NERRY T.; SARDINHA-SILVA, ALINE; FERNANDES, FABRICIO FREITAS; ROQUE-BARREIRA, MARIA CRISTINA. CD14 is critical for TLR2-mediated M1 macrophage activation triggered by N-glycan recognition. SCIENTIFIC REPORTS, v. 7, AUG 1 2017. Citações Web of Science: 5.
DA SILVA, THIAGO APARECIDO; MARTINS OLIVEIRA-BRITO, PATRICIA KELLEN; GONCALVES, THIAGO ELEUTERIO; VENDRUSCOLO, PATRICIA EDIVANIA; ROQUE-BARREIRA, MARIA CRISTINA. ArtinM Mediates Murine T Cell Activation and Induces Cell Death in Jurkat Human Leukemic T Cells. INTERNATIONAL JOURNAL OF MOLECULAR SCIENCES, v. 18, n. 7 JUL 2017. Citações Web of Science: 4.
FERNANDES, FABRICIO F.; OLIVEIRA, ALINE F.; LANDGRAF, TAISE N.; CUNHA, CRISTINA; CARVALHO, AGOSTINHO; VENDRUSCOLO, PATRICIA E.; GONCALES, RELBER A.; ALMEIDA, FAUSTO; DA SILVA, THIAGO A.; RODRIGUES, FERNANDO; ROQUE-BARREIRA, MARIA CRISTINA. Impact of Paracoccin Gene Silencing on Paracoccidioides brasiliensis Virulence. MBIO, v. 8, n. 4 JUL-AUG 2017. Citações Web of Science: 1.
DA SILVA, THIAGO APARECIDO; ROQUE-BARREIRA, MARIA CRISTINA; CASADEVALL, ARTURO; ALMEIDA, FAUSTO. Extracellular vesicles from Paracoccidioides brasiliensis induced M1 polarization in vitro. SCIENTIFIC REPORTS, v. 6, OCT 24 2016. Citações Web of Science: 9.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.