Busca avançada
Ano de início
Entree

Genômica populacional de Anopheles (Kerteszia) cruzii (Diptera: Culicidae) associada a paisagens na Região do Vale do Ribeira, São Paulo, Brasil

Processo: 16/08551-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2016
Vigência (Término): 30 de junho de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Entomologia e Malacologia de Parasitos e Vetores
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Maria Anice Mureb Sallum
Beneficiário:Bruna Demari e Silva
Instituição-sede: Faculdade de Saúde Pública (FSP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/26229-7 - Genômica de paisagens em gradientes latitudinais e ecologia de Anopheles darlingi, AP.TEM
Assunto(s):Plasmodium falciparum   Paisagem   Mata Atlântica

Resumo

A malária é um grande problema de Saúde Pública no Brasil, com mais de 120.000 casos reportados no ano de 2014. A epidemiologia da doença é complexa, não só pelo seu ciclo biológico, que envolve seis espécies de protozoários do gênero Plasmodium, e mosquitos vetores do gênero Anopheles, mas também porque está intrinsecamente ligada a fatores ambientais, políticos, sócio-econônicos e acesso aos serviços de saúde. No Brasil, podemos distinguir três perfis epidemiológicos da doença, sendo o primeiro o da região Amazônica, onde ocorrem mais de 90% dos casos de malária, o agente etiológico com maior prevalência é Plasmodium vivax e o principal vetor é Anopheles darlingi; o segundo perfil envolve os casos importados tanto de regiões endêmicas como a amazônica, quanto trazidos de outros países da Ásia, África e América do Sul; o terceiro corresponde aos casos autóctones que ocorrem na região Sul e Sudeste, e estão diretamente relacionados à exposição aos parasitos que circulam em regiões da Mata Atlântica e ao mosquito vetor Anopheles (Kerteszia) cruzii. Este perfil se caracteriza por casos atípicos da doença que variam de forma branda até infecção subclínica assintomática. Devido ao quadro subclínico de malária nestas regiões, por muito tempo acreditou-se que estes casos eram consequência de infecções por Plasmodium vivax ou P. malariae. Entretanto, pelo menos três estudos recentemente publicados demonstraram que há circulação de Plasmodium falciparum, ou pelo menos, existe uma forma semelhante de P. falciparum circulando na região extra-amazônica. De alguma forma, esta espécie, ou uma variante dela, está envolvida na epidemiologia da malária na região sudeste da Mata Atlântica e o vetor é An. cruzii. Considerando-se que populações de uma mesma espécie de mosquito podem apresentar competência e capacidade vetoriais diferentes ao longo de sua distribuição geográfica, o presente estudo pretende: (1) testar se as populações de Anopheles cruzii de regiões com diferentes gradientes de cobertura vegetal estão geneticamente estruturadas; (2) comparar as assinaturas genômicas das populações que estão expostas a diferentes variáveis ambientais; (3) verificar se há infecção por Plasmodium em Anopheles cruzii e (4) testar se há associação entre a as populações do vetor com a infecção por Plasmodium e/ou sua espécie. O conhecimento sobre a estrutura populacional de An. cruzii, espécie vetora de plasmódios na Mata Atlântica, poderá enriquecer o conhecimento da dinâmica da transmissão da malária autóctone na região sudeste do Brasil. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SUN, LING; LI, TING-JING; FU, WEN-BO; YAN, ZHEN-TIAN; SI, FENG-LING; ZHANG, YU-JUAN; MAO, QI-MENG; DEMARI-SILVA, BRUNA; CHEN, BIN. The complete mt genomes of Lutzia halifaxia, Lt. fuscanus and Culex pallidothorax (Diptera: Culicidae) and comparative analysis of 16 Culex and Lutzia mt genome sequences. PARASITES & VECTORS, v. 12, JUL 26 2019. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.