Busca avançada
Ano de início
Entree

Osteotomia basocervical associada à cervicoplastia para o tratamento do escorregamento epifisário proximal do fêmur: comparação dos resultados com as técnicas cirúrgicas de realinhamento capital e fixação in situ

Processo: 16/04376-3
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 18 de julho de 2016
Vigência (Término): 17 de julho de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Daniel Augusto Carvalho Maranho
Beneficiário:Daniel Augusto Carvalho Maranho
Anfitrião: Young-Jo Kim
Instituição-sede: Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência (FAEPA). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP (HCMRP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Local de pesquisa : Harvard University, Boston, Estados Unidos  
Assunto(s):Impacto femoroacetabular   Osteotomia   Ortopedia   Quadril

Resumo

Introdução: O escorregamento epifisário proximal do fêmur (EEPF) é a afecção adquirida do quadril mais comum na adolescência e pode cursar com dor, impacto femoroacetabular e artrose precoce. Existem controvérsias sobre o tratamento e estudos em geral mostram séries de casos tratados por determinada técnica, e há limitações relativas à falta de comparação entre métodos de tratamento. A fixação in situ (FIS) é um dos tratamentos mais recomendados, embora persistam deformidades residuais. É realizada idealmente em desvios leves. Nos desvios moderados ou acentuados, osteotomias de realinhamento têm sido recomendadas. A necrose avascular é a complicação mais grave, e está relacionada à instabilidade da epífise e ao nível da osteotomia. A osteotomia ao nível da placa de crescimento pode corrigir anatomicamente o desvio, mas com risco de necrose. Uma recente modificação técnica na cirurgia de realinhamento capital (RC) anatômico possibilita ótima correção, supostamente com baixos riscos de necrose, mas necessita longa curva de aprendizado. Correções à distância melhoram o alinhamento e apresentam menor risco de necrose, mas persiste saliência metafisária como deformidade articular residual. A cervicoplastia pode ser associada para remover a saliência metafisária residual e prevenir o fenômeno do impacto femoroacetabular. A proposta deste estudo é apresentar a associação da osteotomia basocervical com cervicoplastia para o tratamento do EEPF.Justificativa: Existe equipoise no tratamento cirúrgico do EEPF. Embora o RC tenha maior potencial de correção, ele está associado a péssimos resultados secundários à necrose em até um terços dos casos. Por outro lado, correções à distância associadas à eliminação do impacto femoroacetabular por meio da cervicoplastia podem produzir bons resultados sem apresentar necrose, apesar de persistirem deformidades residuais. Não há estudo comparativo entre as duas modalidades de tratamento, logo, não há evidências sobre quais resultados são mais seguros e funcionalmente mais favoráveis.A apresentação da BCC, e a comparação dos resultados seria pioneira e original na literatura, e a grande justificativa do projeto é a de avaliar prospectivamente a hipótese de que os resultados da BCC sejam semelhantes aos do RC. Caso a BCC apresente resultados clínicos favoráveis, sua indicação poderia ser reforçada, visto que apresenta menores riscos de necrose avascular, comparada ao RC.Objetivos:1. Avaliar os resultados do tratamento do EEPF moderado e acentuado após o tratamento pelas técnicas de osteotomia BCC e RC. A avaliação dos casos leves tratados com FIS e dos quadris saudáveis seria utilizada como grupo comparativo e controle.2. Comparar os resultados entre as técnicas, e definir se o grupo BCC apresenta resultados equivalentes, superiores ou inferiores aos grupos RC, FIS e controle.MétodosTrata-se de estudo coorte prospectivo com inclusão consecutiva de pacientes, em dois centros, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa. A faixa etária é de 8 a 21 anos, independente do gênero, e os critérios de inclusão são a realização BCC, RC, ou FIS, com seguimento mínimo de 4 anos. Os critérios de exclusão são a necessidade de outros tipos de osteotomia, défice cognitivo, ou não aceitação da pesquisa. A avaliação dos pacientes será realizada nos períodos pós-operatórios de 6 meses, 1, 2 e 4 anos. A avaliação incluirá a amplitude de mobilização do quadril (goniometria), o teste da insuficiência do glúteo médio (Trendelenburg), o teste de impacto femoroacetabular, avaliações funcionais com os protocolos Harris Hip Score e FS12. A força muscular será avaliada com dinamômetro isocinético a 60º e 120º/s. A avaliação por imagem incluirá radiografias da pelve em incidência anteroposterior, perfil do colo e Lauenstein, e serão avaliados a presença ou ausência de necrose avascular, os ângulos cervicoepifisário que sugere o grau de desvio residual, Southwick, a presença de coxa brevis e a altura do trocanter maior.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
ANGELICO, A. C. C.; GARCIA, L. M.; ICUMA, T. R.; HERRERO, C. F.; MARANHO, D. A. The results of osteotomy at the base of femoral neck with osteoplasty in restoration of abductor function and strength in slipped capital femoral epiphysis. BONE & JOINT JOURNAL, v. 100B, n. 11, p. 1524-1532, NOV 2018. Citações Web of Science: 1.
MARANHO, DANIEL A.; MILLER, PATRICIA E.; NOVAIS, EDUARDO N. The Peritubercle Lucency Sign is a Common and Early Radiographic Finding in Slipped Capital Femoral Epiphysis. JOURNAL OF PEDIATRIC ORTHOPAEDICS, v. 38, n. 7, p. E371-E376, AUG 2018. Citações Web of Science: 2.
NOVAIS, EDUARDO N.; MARANHO, DANIEL A.; KIM, YOUNG-JO; KIAPOUR, ATA. Age- and Sex-Specific Morphologic Variations of Capital Femoral Epiphysis Growth in Children and Adolescents Without Hip Disorders. ORTHOPAEDIC JOURNAL OF SPORTS MEDICINE, v. 6, n. 6 JUN 25 2018. Citações Web of Science: 1.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.