Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise molecular e funcional do mecanismo de ação da taurina em células C2C12 em meio de cultura com restrição de aminoácidos

Processo: 16/08543-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2016
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Everardo Magalhães Carneiro
Beneficiário:Gabriel Gerardini Zanetti
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/01717-9 - Investigação dos efeitos insulinotrópicos, insulinomiméticos e endoteliais da taurina em células/tecidos submetidos à restrição in vitro de aminoácidos: uma abordagem integrada e multifocal, AP.TEM
Assunto(s):Diabetes mellitus   Fisiologia endócrina   Desnutrição   Insulina

Resumo

A desnutrição é um problema de grande relevância que atinge ainda diversos países subdesenvolvidos. Está associada ao desenvolvimento de doenças tais como obesidade e diabetes mellitus tipo 2. Roedores submetidos à restrição proteica durante a gestação e a lactação apresentam alterações na capacidade secretória de insulina e maior sensibilidade periférica a este hormônio. A taurina (TAU) é um aminoácido não essencial que tem participação na ação da insulina nos tecidos periféricos e, consequentemente na homeostase glicêmica. O papel da TAU sobre condições de desnutrição proteica ainda carece de estudos, a fim de elucidar os mecanismos responsáveis por desencadear seus efeitos. Tendo isso em vista, o projeto tem como objetivo investigar os mecanismos moleculares associados aos efeitos da taurina sobre as alterações observadas na sensibilidade periférica à insulina. Para isso, utilizaremos células de linhagem muscular de camundongos (C2C12), que uma vez diferenciadas em miotubulos, serão cultivadas em meio de cultura controle (100% de aminoácido) ou em meio de cultura desnutrido (25% aminoácidos) suplementado ou não com taurina. Posteriormente será avaliado a viabilidade celular através da incorporação de iodeto de propídeo e Hoechst 33342 (HoPi), captação de glicose e a via de sinalização da insulina por Western Blot.