Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência da cobertura florestal em comunidades de anfíbios: agrupamento a priori de espécies em modelos de ocupação multi-espécies

Processo: 16/07469-2
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 10 de outubro de 2016
Vigência (Término): 09 de setembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Pesquisador responsável:Tadeu de Siqueira Barros
Beneficiário:José Wagner Ribeiro Júnior
Supervisor no Exterior: Elise Zipkin
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Local de pesquisa : Michigan State University (MSU), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:14/07113-8 - Estrutura e dinâmica de metacomunidade de anuros associados aos riachos de Mata Atlântica: uma abordagem hierárquica que considera a detecção imperfeita das espécies, BP.DR
Assunto(s):Anura   Comunidades animais

Resumo

A conversão da floresta nativa pelas atividades humanas reduz e isola o habitat natural, e está ligada a perda de biodiversidade em múltiplas escalas espaciais. As respostas das comunidades à perda de floresta são complexas e não unidirecionais, já que algumas espécies são negativamente afetadas pela redução florestal, enquanto que outras espécies são favorecidas por esse processo. Uma questão chave para investigar os efeitos da perda de floresta nas comunidades biológicas é identificar atributos e/ou requerimentos ecológicos comuns compartilhados por um agrupamento de espécies que podem conduzir a respostas negativas ou positivas ao longo do gradiente de cobertura vegetal. A classificação de espécies por agrupamento a priori (guildas) é uma abordagem comum nas áreas de ecologia, conservação e manejo e pode ser uma ferramenta útil para entender como as comunidades estão distribuídas espacialmente e respondem a perda do habitat. Ao longo das últimas duas décadas, os anfíbios têm enfrentado taxas de declínios globais não aleatórios que excedem os níveis históricos, e se supõe que algumas espécies são especialmente mais sensíveis as modificações humanas da paisagem. Todavia, muitos dos estudos nessa questão utilizam dados de incidência para ajustar os modelos, com a suposição de que todas as espécies são observadas sem falhas no levantamento de campo. Na realidade, as espécies são detectadas imperfeitamente e dessa forma as probabilidades de detecção de quase todas as espécies é menos de um. Se isso não for modelado propriamente, os modelos podem ter baixa acurácia e os resultados podem ser enganosos. Consequentemente, nosso principal objetivo aqui é investigar como guildas de anfíbios respondem ao gradiente de cobertura vegetal nativo, em escalas grosseira (bacia hidrográfica) e fina (drenagem), dentro da Floresta Atlântica utilizando uma abordagem que considera o erro de detecção (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
RIBEIRO, JR., JOSE WAGNER; SIQUEIRA, TADEU; BREJAO, GABRIEL LOURENCO; ZIPKIN, ELISE F. Effects of agriculture and topography on tropical amphibian species and communities. Ecological Applications, v. 28, n. 6, p. 1554-1564, SEP 2018. Citações Web of Science: 2.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.