Busca avançada
Ano de início
Entree

Atividade do veneno de Tityus bahiensis e suas frações isoladas em preparações neuromusculares somáticas e autônoma

Processo: 16/11319-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2016
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia
Pesquisador responsável:Edson Antunes
Beneficiário:Rita de Cássia de Oliveira Collaço
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):16/23829-9 - Veneno do Tityus bahiensis e suas frações isoladas: um estudo eletrofisiológico e de imagem de cálcio em preparações nervo-músculo do sistema nervoso somático e autonômico, BE.EP.DR
Assunto(s):Canais iônicos   Sistema nervoso autônomo   Eletrofisiologia

Resumo

Além de efeitos locais, envenenamentos por escorpiões podem vir a acarretar efeitos sistêmicos, relacionados principalmente à liberação massiva de neurotransmissores no sistema central e periférico. Essa atividade neurotóxica é atribuída aos peptídeos neurotóxicos, principais componentes desses venenos, que possuem grande especificidade e afinidade com canais iônicos podendo inativar, ativar, bloquear ou alterar o mecanismo de abertura desses canais. Essas toxinas demonstram potencial atividade farmacológica e vem sendo empregadas como ferramentas no estudo da estrutura e fisiologia dos canais iônicos (por sua interação com uma parte única do canal), e de doenças como canalopatias, epilepsia, paralisia facial, doenças musculares, arritmias cardíacas e síndromes da dor, oferecendo estratégias para o desenvolvimento de novos alvos terapêuticos. Tityus bahiensis é o maior causador de acidentes escorpiônicos no estado de São Paulo (segundo maior no Brasil), porém poucos são os estudos envolvendo o veneno bruto ou frações suas isoladas, em especial aqueles voltados ao estudo do sistema nervoso periférico e canais iônicos. O presente projeto tem por objetivo o estudo o veneno bruto e frações isoladas i) na junção neuromuscular usando-se diferentes preparações nervo/músculo esquelético isoladas submetidas a estímulos elétricos direto e indireto/de campo para avaliação da atividade somática, ii) em preparações nervo/músculo liso de canal deferente isolado através estímulo elétrico de campo para avaliação da atividade autônoma, iii) estudo eletrofisiológico para avaliação do potencial de membrana em repouso (dos músculos esquelético e liso), potencial de placa terminal, potencial de placa terminal em miniatura, potencial de ação nervoso e formas de ondas perineurais (correntes de cálcio e potássio), e iv) avaliação da interação com canais de potássio, sódio e cálcio utilizando técnicas de voltage-clamp e patch-clamp. Esse projeto proporcionará uma maior compreensão da participação das neurotoxinas presentes no veneno de T. bahiensis para os fenômenos pré e pós-sinápticos observados nos envenenamentos. Os resultados desse trabalho podem ainda fomentar o estudo/isolamento de novas moléculas com potencial farmacológico que possam vir a ser utilizadas como ferramentas de estudo.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
COLLACO, RITA DE CASSIA O.; HYSLOP, STEPHEN; DORCE, VALQUIRIA A. C.; ANTUNES, EDSON; ROWAN, EDWARD G. Scorpion venom increases acetylcholine release by prolonging the duration of somatic nerve action potentials. Neuropharmacology, v. 153, p. 41-52, JUL 15 2019. Citações Web of Science: 0.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
COLLAÇO, Rita de Cássia de Oliveira. Atividade do veneno de Tityus bahiensis em preparações neuromusculares e autônomas. 2019. Tese de Doutorado - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.