Busca avançada
Ano de início
Entree

Carreadores lipídicos nanoestruturados dispersos em hidrogéis de geleificação in situ para administração vaginal de hipericina associados à terapia fotodinâmica no tratamento da candidíase vulvovaginal

Processo: 16/11198-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2016
Vigência (Término): 07 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacotecnia
Pesquisador responsável:Marlus Chorilli
Beneficiário:Mariana Rillo Sato
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):18/17573-7 - Potencial efeito da hipericina incorporada em sistemas nanoestruturados mucoadesivos associados as terapias fotodinâmicas e sonodinâmicas antimicrobianas contra cepas de Candida Albicans, BE.EP.DR
Assunto(s):Candidíase vulvovaginal   Carreadores lipídicos nanoestruturados   Terapia fotodinâmica   Hidrogéis

Resumo

A candidíase vulvovaginal (CVV) é uma infecção fúngica causada pela Candida albicans. O tratamento de escolha envolve a administração de antifúngicos de uso tópico ou sistêmico, para os quais se tem observado inúmeros casos de resistência. Dessa forma, muitos pesquisadores estão se empenhando no emprego de métodos alternativos, como a terapia fotodinâmica (TFD) e na descoberta de substâncias, dentre elas as oriundas de fontes naturais, que possam apresentar interesse terapêutico no tratamento da CVV, como a hipericina (HIP), obtida a partir do Hipericum perfuratum, que tem apresentado ação antifúngica, sendo este efeito potencializado pelo emprego da TFD, por se tratar de um fotossensibilizador. No entanto, seu uso clínico enfrenta muitos desafios, devido principalmente às suas características físico-químicas, como baixa solubilidade aquosa em condições de pH ácido e fisiológico, hidrólise rápida em pH alcalino e instabilidade em presença de luz, resultando em restrições farmacocinéticas, tais como baixa absorção por via oral, metabolismo hepático extenso e rápida eliminação. Logo, sua incorporação em carreadores lipídicos nanoestruturados (CLNs) dispersos em hidrogéis (HG) de geleificação in situ (HG) para administração vaginal demonstra ser uma opção interessante para viabilizar o seu uso, associado ou não à TFD, uma vez que estes sistemas conseguem proteger o fármaco da degradação e aumentar o tempo de permanência da formulação no ambiente vaginal, possibilitando uma liberação sustentada no local específico de ação. Ademais, a administração vaginal pode ser vantajosa, uma vez que a mucosa vaginal apresenta alta permeabilidade, alta irrigação sanguínea e ausência do metabolismo de primeira passagem, otimizando sua ação local. Os CLNs acrescidos de HIP serão caracterizados empregando análise de diâmetro hidrodinâmico médioe de polidispersidade, potencial zeta, microscopia de força atômica e eficiência de encapsulação da HIP. Os HG serão caracterizados empregando análise de calorimetria exploratória diferencial, reologia e perfil de textura e mucoadesão in vitro. Será desenvolvida e validada metodologia analítica para quantificação de HIP por CLAE e realizados estudos de liberação, permeação e retenção in vitro das formulações. Serão realizados ensaios biológicos in vitro de atividade antimicrobiana empregando cepas de C. albicans e citotoxicidade em queratinócitos. Por fim, serão realizados ensaios in vivo em modelo de CVV.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.