Busca avançada
Ano de início
Entree

Extensões dos modelos defeituosos com fração de cura para dados financeiros, industriais e médicos

Processo: 16/12796-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2016
Vigência (Término): 31 de agosto de 2017
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Probabilidade e Estatística - Estatística
Pesquisador responsável:Francisco Louzada Neto
Beneficiário:Ricardo Ferreira da Rocha
Instituição-sede: Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC). Universidade de São Paulo (USP). São Carlos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/07375-0 - CeMEAI - Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria, AP.CEPID
Assunto(s):Análise de sobrevivência

Resumo

A modelagem de frações de cura em estudos de dados de sobrevivência forma atualmente um campo importante da área e tem atraído bastante à atenção de pesquisadores. A literatura sobre modelos de longa duração é vasta e possui diversas abordagens diferentes em como estimar as quantidades de interesse. Uma maneira de modelar taxas de cura é por meio de distribuições defeituosas. Essas distribuições têm a vantagem de estimar uma fração de cura sem a adição de quaisquer parâmetros adicionais em um modelo preexistente, como acontece na maioria dos casos da literatura, e também não requer qualquer suposição da existência da fração de cura antes da modelagem. Uma distribuição é defeituosa quando a integral da sua função de densidade toma valores no intervalo (0,1), quando o domínio original dos seus parâmetros é alterado. Existem apenas algumas distribuições com essa característica na literatura. O objetivo desse projeto de pós-doutoramento é estender os modelos de fração de cura através de distribuições defeituosas e explorar as questões computacionais em relação a sua implementação em dados financeiros, industriais e médicos. Este projeto é baseado em cinco subprojetos: uma abordagem bayesiana para modelos de fração de cura defeituosos, uma comparação das abordagens paramétricas para modelar dados na presença de uma taxa de cura, o desenvolvimento de um modelo defeituoso de fração de cura com termo de fragilidade, o desenvolvimento de um pacote computacional em R com funções de interesse relacionadas aos modelos defeituosos e a proposta de um modelo de regressão para a fração de cura inflado de zeros, com base numa distribuição defeituosa. (AU)