Busca avançada
Ano de início
Entree

Impacto das emissões de poluentes veiculares na população usuária de diferentes modais de transporte na cidade de São Paulo

Processo: 16/14501-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de agosto de 2016
Vigência (Término): 31 de julho de 2020
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Meteorologia
Convênio/Acordo: ESRC, UKRI ; Organização Holandesa para a Pesquisa Científica (NWO)
Pesquisador responsável:Maria de Fátima Andrade
Beneficiário:Veronika Sassen Brand
Instituição-sede: Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/50128-9 - Astrid - accessibility, social justice and transport emission impacts of transit-oriented development strategies, AP.TEM
Assunto(s):Poluição do ar   Emissões de veículos   Modais de transportes   Modelos de qualidade do ar   Área urbana   São Paulo (SP)

Resumo

Com o aumento do número de habitantes vivendo atualmente em centros urbanos, surge a necessidade de se investigar o impacto desse crescimento na poluição do ar, clima local e os efeitos desses sobre a população. São Paulo, uma das quatro megacidades da América Latina e a mais populosa dentre elas, no entanto, possui poucos estudos sobre como os poluentes de emissão veicular se dispersam em uma escala local urbana e quanto dessa concentração afeta efetivamente a população exposta. Propõe-se então, nesse trabalho, utilizar os dados medidos de MP2,5 e sua fração de Black Carbon, nos diferentes modais de transporte, terminais de ônibus e calçadas, na cidade de São Paulo para descrever a dispersão desses poluentes emitidos por veículos em uma escala urbana através do acoplamento de um modelo de mesoescala a um modelo de dispersão, associando os resultados à exposição da população aos poluentes, a questão da desigualdade espacial do transporte e simular cenários de alteração do sistema de transporte público e da frota veicular. Pretende-se, assim, conhecer qual é a exposição da população ao material particulado considerando os diferentes modais de transporte mais utilizados em São Paulo, como, ônibus, carros, caminhadas e bicicleta. Espera-se também promover a interação com estudos semelhantes em outras megacidades do mundo, em particular Londres e Amsterdam avaliando e comparando as ações públicas de melhoria na qualidade do ar em diferentes realidades sócio-econômicas e de uso e ocupação da área urbana. (AU)