Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel da leptina na regulação da inflamação sistêmica

Processo: 16/15555-6
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2016
Vigência (Término): 30 de novembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia
Pesquisador responsável:Alexandre Alarcon Steiner
Beneficiário:Evilin Naname Komegae
Supervisor no Exterior: Robin Michael McAllen
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Florey Institute of Neuroscience and Mental Health, Austrália  
Vinculado à bolsa:14/03719-9 - Papel da leptina na regulação da inflamação sistêmica, BP.PD
Assunto(s):Neuroimunomodulação   Rede nervosa   Leptina   Anti-inflamatórios

Resumo

Conforme apresentado no relatório de atividades, os resultados obtidos até o momento são promissores e com potencial transformador, não só por questionar o papel pró-inflamatório da leptina, mas, pelo contrário, por demonstrar que a leptina em concentrações fisiológicas exerce efeitos predominantemente anti-inflamatórios. Demonstramos ainda que este efeito anti-inflamatório não resulta da ação direta da leptina sobre macrófagos periféricos. Verificamos então, se a leptina poderia modular a inflamação atuando no sistema nervoso central (SNC), mas, de acordo com os nossos dados, não há participação do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA). Neste sentido, a leptina poderia ativar vias neurais descendentes para o controle da inflamação. No entanto, uma vez que o controle da inflamação neural ainda é mal compreendido, estudos prévios para desvendar os circuitos das vias anti-inflamatórias neurais deverão ser feitos para que o papel da leptina nesta via pode ser avaliado. Neste sentido, este projeto em colaboração com Robin McAllen (University of Melbourne, Austrália) tem o objetivo de delinear os circuitos neurais que controlam a inflamação através de nervos simpáticos, mais especificamente, os nervos esplâncnicos e esplênicos. Estes resultados serão de grande valia não somente para o entendimento dos mecanismos pelos quais a leptina atua, mas também a muitos outros estudos relacionados as vias anti-inflamatórias neurais. (AU)