Busca avançada
Ano de início
Entree

Mecanismos de Reparo de DNA e mutagênese na resposta de Pseudomonas aeruginosa à beta-lactâmicos

Processo: 16/18979-1
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Mestrado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2016
Vigência (Término): 31 de maio de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Rodrigo da Silva Galhardo
Beneficiário:Letícia Busato Migliorini
Supervisor no Exterior: Jesus Blazquez Gomez
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC), Espanha  
Vinculado à bolsa:15/18886-0 - Papel dos mecanismos de Reparo de DNA na resposta de Pseudomonas aeruginosa aos antimicrobianos ciprofloxacina e Ceftazidima, BP.MS
Assunto(s):Pseudomonas aeruginosa   Farmacorresistência bacteriana

Resumo

Pseudomonas aeruginosa é um importante patógeno oportunista humano, responsável pelos altos índices de mortalidade em pacientes com fibrose cística. Este microrganismo possui grande habilidade em se adaptar a situações adversas, o que facilita a instauração e a persistência da infecção. A terapia antibiótica inapropriada e o contato com concentrações sub-inibitórias podem levar as bactérias a responderem de diversas maneiras. Dentre elas, a ativação da resposta SOS e a produção de espécies reativas de oxigênio (ROS), que podem levar a lesões oxidativas no DNA, como a 8-oxoguanina (8-oxoG). Tanto a resposta SOS quanto o estresse oxidativo são associados a processos de mutagênese, o que pode contribuir para a evolução da resistência bacteriana. Antibióticos beta-lactâmicos como a Ceftazidima (CAZ), amplamente empregado na prática clínica, tem sido descritos como agentes ativadores da resposta SOS e indutores de estresse oxidativo, sendo capazes de promover mutagênese em P. aeruginosa PAO1. Nos dados obtidos até o momento por nosso grupo de pesquisa, em P. aeruginosa PA14, não foi observado aumento na mutagênese induzida por CAZ. Nesse sentido, é importante elucidar melhor estes resultados e avaliar a resposta de P. aeruginosa a outros beta-lactâmicos, dentre eles Ticarcilina, Piperacilina, Cefepime e Carbenicilina. Para isso, estudaremos papel das polimerases SOS e envolvimento de estresse oxidativo sendo avaliado por Citometria de Fluxo. Ademais, iremos avaliar a frequência de mutantes induzidos por beta-lactâmicos nas diferentes linhagens com mutações em genes de reparo de DNA de P. aeruginosa e alguns isolados clínicos para verificar se esta mutagênese ocorre de maneira semelhante nestes isolados. Este estudo pretende esclarecer a resposta de P. aeruginosa aos beta-lactâmicos, auxiliando no desenvolvimento de estratégias terapêuticas antimicrobianas mais eficazes, diminuindo assim o risco do desenvolvimento da resistência.