Busca avançada
Ano de início
Entree

Estágio de Pesquisa Junto à University of California - Davis, Estados Unidos

Processo: 16/17543-5
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Iniciação Científica
Vigência (Início): 02 de janeiro de 2017
Vigência (Término): 03 de março de 2017
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:Áureo Evangelista Santana
Beneficiário:Juliana Aparecida Do Carmo Emidio e Silva
Supervisor no Exterior: Chen Gilor
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Local de pesquisa: University of California, Davis (UC Davis), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:16/07491-8 - Aplicabilidade da técnica de elastografia no acompanhamento de cães com hiperadrenocorticismo em tratamento com trilostano, BP.IC
Assunto(s):Clínica médica veterinária   Farmacologia   Endocrinologia   Obesidade   Gatos   Peptídeo 1 semelhante ao glucagon   Felidae

Resumo

Os análogos dos GLP-1 são amplamente utilizados para tratar a diabetes mellitus tipo 2 (DM2) em humanos. A sua meia-vida prolongada permite que a administração seja relativamente pouco frequente, ou seja, uma vez por semana, permitindo maior adesão do paciente ao tratamento. Em ensaios clínicos de longo prazo comparando GLP-1 análogos a terapia com insulina, GLP-1 análogos são mais eficazes no controle da hiperglicemia, mas com diminuição da frequência de eventos hipoglicêmicos. Ao contrário de insulina, GLP-1 análogos promovem a perda de peso. Tal como em pessoas, análogos de GLP-1 melhoram a tolerância à glicose, induz a secreção de insulina dependente de glicose e promove a perda de peso. No entanto, seu alto custo impede que se torne uma ampla modalidade de tratamento spread para diabetes e obesidade em gatos. Dessa forma, propomos estudar a farmacologia um novo medicamento de longa ação GLP-1 analógico em gatos saudáveis. Um análogo de GLP-1 será administrado por via subcutânea e concentrações séricas serão medidos. As concentrações de GLP-1 serão medidas semanalmente (antes de cada administração). O efeito da droga sobre o controle glicêmico será medido pelo método de fixação de glicose. A hiperglicemia será induzida por administração intravenosa de glicose a uma taxa de infusão com o objetivo de manter constante os valores de glicose sanguínea (225 mg/dL durante 60 minutos). A quantidade total de glicose injetada, bem como as concentrações de insulina e glucagon serão comparados entre os pré e pós-tratamento. O controle glicêmico também será avaliado pela monitorização contínua da glicose. A segurança será avaliada através da monitorização do local da injeção e pela monitorização contínua da glicose. Se a farmacologia desta análogo de GLP-1 em gatos for semelhante ao descrito em humanos, esse estudo poderá revolucionar o tratamento de diabetes em felinos. (AU)