Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da viabilidade econômica de microgeração residencial em um ambiente microrrede, considerando diferentes cenários

Processo: 16/17925-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2016
Vigência (Término): 31 de agosto de 2017
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Elétrica - Sistemas Elétricos de Potência
Pesquisador responsável:Antonio Marcos Cossi
Beneficiário:Luiz Guilherme Piccioni de Almeida
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia (FEIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Ilha Solteira. Ilha Solteira , SP, Brasil
Assunto(s):Sistemas híbridos   Energia renovável   Recursos renováveis   Geração de energia elétrica   Microrredes de energia elétrica

Resumo

Neste trabalho de Iniciação Científica (IC), será desenvolvido um estudo sobre a viabilidade econômica de ser ou não um microgerador residencial, com e sem armazenamento de energia, considerando diferentes cenários: sistemas híbridos de geração de energia (fotovoltaico e eólico) e não híbridos, diferentes dimensionamentos dos sistemas de geração de energia, preços tarifários diferentes, e sistemas com e sem armazenamento de energia. O objetivo é desenvolver uma ferramenta capaz de fazer uma análise econômica através de uma relação custo/benefício sobre a viabilidade de ser ou não um microgerador em um ambiente microrrede. Assim, conhecendo-se a carga residencial e a quantidade de energia gerada, pretende-se injetar o excedente na rede da concessionária. Neste caso, será avaliado se os custos dos investimentos compensam em relação ao retorno financeiro devido o montante gerado na rede da concessionária, durante um determinado horizonte de estudo de longo prazo (em anos). No contexto do trabalho serão analisadas também as vantagens e desvantagens da microgeração, tanto pelo lado do cliente (microgerador) quanto pelo lado da concessionária (rede elétrica). Pretende-se simular cenários hipotéticos considerando os diferentes cenários de microgeração residencial. Espera-se resultados que mostrem a viabilidade de ser ou não um microgerador de energia em um ambiente microrrede para os diferentes cenários avaliados. (AU)