Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos da herbivoria sobre as funções sexuais masculina e feminina de Psychotria suterella (Rubiaceae)

Processo: 16/18059-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2016
Vigência (Término): 31 de julho de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Teórica
Pesquisador responsável:Silvana Buzato
Beneficiário:Laila Santim Mureb
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Animais herbívoros   Fenologia   Interação planta-animal   Rubiaceae   Psychotria

Resumo

Os efeitos da interação entre herbívoros e plantas têm consequências ecológicas (proximate causes), caracterizadas por alterações na habilidade competitiva do indivíduo, e evolutivas (ultimate functions), como exemplificadas por modificações na expressão sexual das plantas. Diversos estudos indicam que sob condições de herbivoria, as plantas tendem a ter a performance da função masculina comprometida, ao passo que a da função feminina é pouco afetada. Perante tal contexto teórico, o presente estudo tem como objetivo verificar se a herbivoria afeta o desempenho das funções masculinas e femininas da espécie Psychotria suterella (Rubiaceae), que apresenta dois morfotipos florais distintos caracterizados por importância diferenciada na expressão da função masculina e feminina. O morfo brevistilo exerce função mais associada à produção e exportação de pólen ("função masculina"), e o longistilo prioriza a alocação de energia para a manutenção da "função feminina". Esperamos que a herbivoria venha a comprometer a habilidade competitiva de indivíduos que apresentam o morfo brevistilo de modo mais acentuado que os indivíduos que apresentam o morfo longistilo. Os efeitos da herbivoria sobre as funções masculinas e femininas da flor em ambos os morfos serão quantificadas pela redução na produção polínica e de sementes bem como alterações estruturais e fisiológicas na produção de recursos florais em experimentos de defoliação. A possibilidade de mecanismos de compensação aos danos foliares será avaliada pelo comportamento fenológico (alteração nos eventos de brotamento de folhas e senescência foliar). Tais resultados viriam a demonstrar a tendência de ocorrência de especialização de funções sexuais em plantas sob condições de variações ambientais que neste caso será caracterizada pela herbivoria. (AU)