Busca avançada
Ano de início
Entree

Uso de DDGS na terminação de bovinos confinados: consumo e digestibilidade

Processo: 16/20485-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2016
Vigência (Término): 31 de março de 2018
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Produção Animal
Pesquisador responsável:Ricardo Andrade Reis
Beneficiário:Natalia Vilas Boas Fonseca
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Bovinos de corte   Bovinocultura de corte   Confinamento animal   Grãos de destilaria secos com solúveis (DDGS)   Alimentação animal   Nutrição animal   Digestibilidade

Resumo

A pecuária de corte vem assumindo parcela importante no agronegócio brasileiro, buscando alternativas que aumentem a produção e a rentabilidade da atividade. O confinamento permite acelerar a terminação dos bovinos com redução na idade ao abate, propiciando exploração intensiva das propriedades. Por outro lado, o custo com a produção vem aumentado, reduzindo assim a lucratividade do sistema. O uso de produtos menos onerosos na alimentação animal apresenta-se cada vez mais atrativos. Dentre as alternativas, destaca-se o DDGS (dried distiller's grains with solubles), coproduto obtido da produção do etanol a partir do milho, o qual se torna uma opção na nutrição e produção animal. Objetiva-se avaliar a eficiência da substituição do farelo de algodão por DDGS quanto ao consumo e digestibilidade de nutrientes na terminação de bovinos de corte confinados. Os tratamentos serão: T1 - Concentrado convencional com milho como fonte energética e farelo de algodão como fonte proteica; tratamento; T2 - Concentrado com substituição de 50% da fonte proteica do T1 por DDGS; T3: Concentrado com substituição de 100% da fonte proteica do T1 por DDGS. O experimento será realizado em um delineamento inteiramente casualizado, com medidas repetidas no tempo, sendo três tratamentos com três repetições (baias) contendo quatro animais por baia. (AU)