Busca avançada
Ano de início
Entree

Composição e estrutura da comunidade de lianas em diferentes sistemas de restauração da Floresta Estacional Semidecidual

Processo: 16/19049-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2016
Vigência (Término): 30 de novembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Florestais e Engenharia Florestal - Conservação da Natureza
Pesquisador responsável:Vera Lex Engel
Beneficiário:Andra Carolina Dalbeto
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Mata Atlântica   Lianas   Conservação dos recursos naturais   Floresta estacional semidecidual   Ecossistemas florestais

Resumo

As lianas contribuem significativamente na estruturação, composição e associações interespecíficas em ecossistemas florestais. Embora saibamos de sua importância na dinâmica das florestas tropicais, o conhecimento sobre a composição e a estrutura da comunidade de lianas em áreas em processos de restauração é escassa. Objetivamos com este estudo conhecer a composição e a estrutura da comunidade de lianas em diferentes sistemas de restauração ecológica da Floresta Estacional Semidecidual, e entender quais fatores ecológicos são determinantes pela sua estruturação. Estudaremos um experimento que foi implantado há 19 anos, no campus da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (FCA/UNESP), Botucatu, SP. O experimento foi delineado em blocos ao caso, com quatro tratamentos (sistemas de restauração) e três repetições, em parcelas de 50 x 50 m. Os sistemas implantados se diferenciam pelo número e composição de espécies utilizadas: semeadura direta, sistema agroflorestal, consórcio para madeira e lenha e plantio de alta diversidade. Também estudaremos um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual em bom estado de conservação, como referência. Faremos a amostragem da comunidade de lianas (indivíduos estabelecidos e regenerantes) em duas sub-parcelas de 10 x 10 m alocadas aleatoriamente no interior de cada parcela de 50 x 50 m, em cada um dos três blocos. Em cada parcela também caracterizamos o estrato arbóreo da vegetação por meio da identificação e contagem dos indivíduos, mensuração dos DAPs, estratificação do dossel e fotografias hemisféricas. Os parâmetros fitossociológicos e a diversidade de lianas serão comparados entre os sistemas de restauração por meio de análises de variância e testes de comparações múltiplas de médias. As relações entre a quantidade de sementes de lianas aportadas em cada sistema com a quantidade de lianas regenerantes e as relações entre as características da estrutura dos sistemas de restauração com a densidade e riqueza de lianas serão modeladas por meio de regressões múltiplas. (AU)