Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização fenotípica e genotípica da resistência antimicrobiana a aminoglicosídeos em cepas de Acinetobacter baumannii

Processo: 16/20727-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2017
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Carlos Henrique Camargo
Beneficiário:Daniel Almeida Sant'Ana
Instituição-sede: Instituto Adolfo Lutz (IAL). Coordenadoria de Controle de Doenças (CCD). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Bacteriologia   Tobramicina   Acinetobacter baumannii   Amicacina   Reação em cadeia por polimerase (PCR)   Resistência microbiana a medicamentos

Resumo

A bactéria Acinetobacter baumannii é um dos patógenos mais presentes em infecções hospitalares, particularmente em pacientes imunocomprometidos. O fato de este microrganismo possuir resistência intrínseca a múltiplas drogas e poder adquirir novos mecanismo de resistência a antibióticos torna urgente a necessidade de um estudo mais aprofundado dos seus mecanismos. Diante das crescentes taxas de resistência aos carbapenêmicos, que eram muito utilizados para tratamento de infecções por Acinetobacter spp., outras classes de antimicrobianos tiveram sua importância ressaltada, como os aminoglicosideos. Porém, a bactéria já apresenta resistência a esta classe de antimicrobianos, dentre os quais, a produção de enzimas modificadoras de aminoglicosideos (AMEs) é o mecanismo mais frequente. O presente estudo tem por objetivo avaliar a susceptibilidade a aminoglicosídeos e caracterizar as enzimas modificadoras de aminoglicosideos (AMEs) em cepas de Acinetobacter baumannii isoladas de hemoculturas. Para tanto, em 40 isolados de A. baumannii provenientes de hemoculturas de diferentes pacientes, identificados pelo sistema Vitek II, os valores de concentração inibitória mínima a amicacina, tobramicina e gentamicina serão determinados pelo teste epsilométrico, e os valores serão avaliados em sensível, intermediário ou resistente de acordo com o CLSI 2016. Os principais genes codificadores de enzimas modificadoras de aminoglicosideos (aac(3)-Ia, aac(3)-IIa, aac(62)-Ih, aph(32)-VI, ant(2")-Ia, aph(32)-Ia, aac(62)-Ib) serão detectados por reações de multiplex-PCR. Correlações entre os perfis de susceptibilidade e os genes detectados serão estabelecidas. (AU)