Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise geoestatística da emissão de CO2 e estoque de carbono em floresta plantada e sistema silvipastoril após 30 anos de conversão no cerrado

Processo: 16/21403-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2016
Vigência (Término): 30 de novembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Ciência do Solo
Pesquisador responsável:Alan Rodrigo Panosso
Beneficiário:Fernando Pavanin Martins
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia (FEIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Ilha Solteira. Ilha Solteira , SP, Brasil
Assunto(s):Semivariograma   Dinâmica do carbono   Efeito estufa   Gases do efeito estufa   Sistemas silvipastoris   Cerrado   Krigagem

Resumo

Para a redução das emissões de gases do efeito estufa (GEE), principalmente o CO2, vários estudos têm sido desenvolvidos para encontrar alternativas que tornem os solos menos emissores de mais sumidouros desses gases. Nesse contexto, cultivos que propiciem o acúmulo de carbono e diminuam a emissão de CO2 do solo são almejados, cultivos de floresta plantada, e sistemas silvipastoril, atendem a esse propósito, uma vez que, além de contribuírem para a sustentabilidade do sistema, aumentam a sua biodiversidade e conservam o solo e da água. Atualmente o solo não é tratado como um sistema homogêneo, sendo fundamental o estudo da variabilidade espacial de seus atributos para definição de áreas específicas de manejo, aumentando assim a eficiência das práticas conservacionistas. O objetivo do projeto será estudar a variabilidade espacial dos estoques de carbono e emissão de CO2 do solo em áreas de floresta plantada (eucalipto) e sistema silvipastoril (consórcio de aroeira-vermelha e capim braquiária), na região de Cerrado do estado do Mato Grosso do Sul. A emissão de CO2 do solo será determinada por meio do sistema dinâmico LI-8100, juntamente à determinação de temperatura e umidade do solo. Serão realizadas a determinação dos atributos químicos e físicos do solo, e posteriormente será realizado o cálculo dos estoques de carbono em ambas as áreas. A variabilidade espacial das variáveis será estudada por meio de técnicas geoestatísticas: análise variográfica, interpolação por krigagem ordinária e simulação sequencial gaussiana, seguida de análise de incertezas. (AU)