Busca avançada
Ano de início
Entree

Monitoramento quali-quantitativo dos recursos hídricos nas duas bacias estudadas

Processo: 16/20335-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de novembro de 2016
Vigência (Término): 31 de agosto de 2018
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Florestais e Engenharia Florestal - Conservação da Natureza
Pesquisador responsável:Ricardo de Oliveira Figueiredo
Beneficiário:Talita Varela Utsuni de Camargo Jesus
Instituição-sede: Embrapa Meio-Ambiente. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Brasil). Jaguariúna , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/02890-1 - Impacto das mudanças climáticas sobre a hidrobiogeoquímica de duas pequenas bacias contribuintes do Sistema Cantareira em área atendida por programa de pagamento por serviços ambientais, AP.PFPMCG.R
Assunto(s):Qualidade da água   Recursos hídricos   Restauração ecológica   Hidrologia   Mudança climática   Monitoramento ambiental   Uso do solo   Extrema (MG)

Resumo

O monitoramento da qualidade e quantidade da água em pequenas bacias, aqui entendidas como aquelas cujas áreas de drenagem sejam menores ou em torno de 1.000 ha, é uma ferramenta útil para avaliar-se a sustentabilidade das atividades produtivas no meio rural, fomentar modelos hidrológicos para a geração de projeções futuras, e avaliar benefícios da recuperação da vegetação natural e da conservação de solo em Programas de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA). O presente plano de atividades almeja contribuir para uma avaliação científica dos resultados de um PSA desenvolvido no município de Extrema (MG), em áreas de cabeceira da bacia do Rio Jaguari, contribuinte do Sistema Cantareira, o qual encontra-se no centro das discussões sobre a crise hídrica no Estado de São Paulo. Dessa maneira, será dada continuidade ao monitoramento de seus recursos hídricos diante de um quadro de mudanças de usos da terra, com cobertura vegetal alterada de Mata Atlântica, além do comportamento climático, procurando-se compreender a dinâmica hidrológica e biogeoquímica, e assim balizar ações relacionadas a políticas de gestão ambiental na área estudada e similares. (AU)