Busca avançada
Ano de início
Entree

Genes emergentes na progressão e quimiorresistência do melanoma

Processo: 16/16554-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2017
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Silvya Stuchi Maria-Engler
Beneficiário:Érica Aparecida de Oliveira
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):17/26148-5 - O papel de TFEB/3 em resposta à limitação de nutrientes em melanomas MITF positivos e negativos, BE.EP.PD
Assunto(s):Pele   Cultura de células   Melanoma

Resumo

O melanoma é um câncer altamente invasivo e metastático, com altas taxas de mortalidade e quimiorresistência. A via de MAPK está superexpressa e já há potentes quimioterápicos alvo-específicos, como inibidores de BRAF (vemurafenibe e dabrafenibe). Contudo, a resistência a esses inibidores é observada após cerca de 7 meses de tratamento, principalmente devido ao elevado grau de heterogeneidade intra-tumoral fenotípica, genética e epigenética. Embora, as terapias combinatórias beneficiem os pacientes, e a imunoterapia tenha mostrado resultados altamente promissores, superar a resistência continua um grande desafio. Em estudos de rastreamento in silico do nosso laboratório, utilizando as bases de dados TCGA e o repositório Gene Expression Omnibus (GEO), foram identificados os genes TOP1 e ATP6V0B como sendo diferencialmente expressos em melanoma invasivo, quando comparado com nevus (lesão não maligna). O gene TOP1 está amplificado em melanomas e relacionado com pior prognóstico, envolvido na replicação, tradução, recombinação e reparo do DNA. O gene ATP6V0B está envolvido com transporte lisossomal, inibição da autofagia e impacto na invasão e metástase. Compreender o papel e a regulação de TOP1 e ATP6V0B deve fornecer informações sobre os mecanismos moleculares subjacentes à progressão do melanoma e, finalmente, a resistência à terapia. Neste estudo, iremos caracterizar a ação dos genes TOP1 e ATP6V0B em melanomas humanos e quimiorresistentes ao vemurafenibe. O objetivo é identificar genes alvos para a progressão do melanoma e se estes mecanismos contribuem para aquisição da resistência. Para atingir este objetivo, a expressão de TOP1 e ATP6V0B serão exploradas num amplo painel de melanomas humanos em diferentes fases da progressão e mutações, bem como em linhagens de melanomas resistentes e sensíveis ao vemurafenibe. Vamos empregar tanto cultura em monocamada, como modelos organotípicos que simulam a invasão na pele reconstruída contendo melanoma, e explorar amostras histológicas de pacientes provenientes de uma parceria com o Hospital de Câncer de Barretos. Vamos dissecar as vias moleculares associadas à expressão de TOP1 e ATP6V0B usando ferramentas de manipulação gênica, e avaliar o impacto desses genes na proliferação, migração, invasão, angiogênese e indução de morte celular. Uma vez que os modos de ação sejam caracterizados, modelos xenográficos serão utilizados para aquisição de imagem molecular (18F-FDG) PET/CT, a fim de compreender a influência dos genes no processo metastático. Este estudo, como outros já desenvolvidos no nosso laboratório, podem caracterizar genes que geram subpopulações de células tumorais resistentes e visa identificar alvos farmacologicamente tratáveis, os quais poderão ser utilizados em combinação para melhorar a resposta terapêutica. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Grupo da USP identifica genes relacionados à progressão do melanoma