Busca avançada
Ano de início
Entree

A conexão entre o terrorismo internacional e a tríplice fronteira durante as administrações George W. Bush e Barack Obama (2001-2016)

Processo: 16/12824-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2017
Vigência (Término): 30 de setembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Ciência Política - Política Internacional
Pesquisador responsável:Rafael Antonio Duarte Villa
Beneficiário:Isabelle Christine Somma de Castro
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):18/06825-5 - A conexão entre o terrorismo internacional e a tríplice fronteira durante as administrações George W. Bush e Barack Obama (2001-2016), BE.EP.PD
Assunto(s):Segurança internacional   Terrorismo internacional   Brasil   Argentina   Uruguai   Estados Unidos   Oriente Médio

Resumo

A Tríplice Fronteira (TF) entre Brasil, Argentina e Paraguai tem sido associada a grupos terroristas islâmicos desde a década de 1970. Dois ataques em Buenos Aires contra alvos judaicos nos anos 1990 aumentaram as suspeitas sobre as ligações entre a comunidade árabe/muçulmana da TF e o ativismo islâmico no Oriente Médio, especialmente com o Irã. Mais recentemente, em 2010, o Departamento de Estado dos EUA incluiu a TF na lista de safe havens para atividades terroristas de seu principal relatório sobre o assunto, os Country Reports on Terrorism. O foco deste estudo são as conexões entre as políticas norte-americanas para a TF e o cenário geopolítico do Oriente Médio entre 2001 e 2016. Nossa principal hipótese é que as fricções entre os EUA e países como o Irã e atores não estatais como o Hamas e o Hizbullah contribuíram para direcionar as ações dos últimos dois presidentes dos EUA em relação à TF, apesar dos esforços dos governos locais em atender regras de segurança internacionais. Existem fortes evidências de que a inclusão e a exclusão da TF na lista de safe havens têm ligações com as dinâmicas entre o Departamento de Estado e o governo do Irã. Para verificar esta hipótese, pretendemos realizar trabalho de campo na TF e analisar documentos sobre terrorismo publicados durante as administrações dos presidentes George W. Bush e Barack Obama (2001-2016). A análise seguirá a metodologia proposta por Buzan, Weaver e Wilde (1998), que utiliza níveis de securitização para identificar objetos de referência e atores. Como resultado, espera-se identificar elementos que influenciaram decisivamente dinâmicas políticas entre os EUA e o Brasil nos últimos anos. (AU)