Busca avançada
Ano de início
Entree

Impacto de células estromais de diferentes tecidos linfóides na replicação do vírus da imunodeficiência felina em células monocíticas e Linfócitos T

Processo: 16/24811-6
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2017
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Medicina Veterinária Preventiva
Pesquisador responsável:João Pessoa Araújo Junior
Beneficiário:Claudia de Camargo Tozato
Supervisor no Exterior: Hans Nauwynck
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Local de pesquisa : Ghent University (UGent), Bélgica  
Vinculado à bolsa:15/03635-2 - Desenvolvimento e aplicação de nanopartículas de ouro conjugadas para diagnóstico rápido da infecção pelo vírus da imunodeficiência felina (FIV), vírus da leucemia felina (FeLV) e vírus da cinomose canina (CDV), BP.PD
Assunto(s):Virologia   Lentivirus   Resposta imune   Etiologia

Resumo

O Vírus da Imunodeficiência Felina (FIV) infecta principalmente células monocíticas e células T CD4 +. Uma vez que o vírus entra na célula, o genoma é convertido em DNA por uma transcriptase reversa e é integrado na cromatina celular, onde depende de fatores de transcrição celular para sua replicação. Os gatos são infectados durante mordeduras. O vírus da saliva do gato infectado é transferido para a ferida do gato mordido. Após a replicação local, o vírus se replica em nódulos linfáticos e durante a viremia, em tecidos linfóides mais distantes. A replicação de FIV parece estar bloqueada em monócitos e linfócitos infectados que circulam no sangue. Após a chegada aos tecidos linfóides, ativa-se a replicação do vírus. Tecidos linfóides são um local de replicação ideal para o vírus, com um monte de células-alvo em potencial e fechar os contatos da célula. Os alvos celulares próximos podem promover a formação de uma sinapse viral, uma zona de transferência segura para o vírus entre células. O primeiro objetivo do projeto proposto é o isolamento, imortalização e caracterização de células estromais derivadas de linfonodo, baço e medula óssea vermelha. Em segundo lugar, as características de replicação de FIV serão estudadas em monócitos, macrófagos e linfócitos, que são co-cultivados com estas células do estroma para simular a situação in vivo nos órgãos linfóides. O terceiro objetivo será o demonstrar e manipular a (s) via (s) celular (as) responsável (is) pelos efeitos observados e identificar a contribuição de proteínas acessórias virais. Desvendar o mecanismo (s) pelo qual estas células do estroma influenciam a replicação do FIV pode fornecer novos alvos para a terapia antiviral.O vírus da imunodeficiência felina (FIV) infecta principalmente células monocíticas e células T CD4 +. Uma vez que o vírus entra na célula, o genoma é convertido em DNA por uma transcriptase reversa e é integrado na cromatina celular, onde depende de fatores de transcrição celular para sua replicação. Os gatos são infectados durante mordeduras. O vírus da saliva do gato infectado é transferido para a ferida do gato mordido. Após a replicação local, o vírus se replica em nódulos linfáticos e durante a viremia, em tecidos linfóides mais distantes. A replicação de FIV parece estar bloqueada em monócitos e linfócitos infectados que circulam no sangue. Após a chegada aos tecidos linfóides, ativa-se a replicação do vírus. Tecidos linfóides são um local de replicação ideal para o vírus, com um monte de células-alvo em potencial e fechar os contatos da célula. Os alvos celulares próximos podem promover a formação de uma sinapse viral, uma zona de transferência segura para o vírus entre células. O primeiro objetivo do projeto proposto é o isolamento, imortalização e caracterização de células estromais derivadas de linfonodo, baço e medula óssea vermelha. Em segundo lugar, as características de replicação de FIV serão estudadas em monócitos, macrófagos e linfócitos, que são co-cultivados com estas células do estroma para simular a situação in vivo nos órgãos linfóides. O terceiro objetivo será o demonstrar e manipular a (s) via (s) celular (as) responsável (is) pelos efeitos observados e identificar a contribuição de proteínas acessórias virais. É crucial compreender como a replicação viral ocorre e sua patogênese para fazer realização do diagnóstico apropriado e sua interpretação. Desvendar o (s) mecanismo (s) pelo qual estas células do estroma influenciam a replicação do FIV pode fornecer novos alvos para a terapia antiviral.