Busca avançada
Ano de início
Entree

Interação entre hormônios tiroidianos e clock genes: consequências na secreção dos hormônios da adenohipófise

Processo: 16/24941-7
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2017
Vigência (Término): 31 de março de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia Geral
Pesquisador responsável:Maria Tereza Nunes
Beneficiário:Paula Bargi de Souza
Supervisor no Exterior: Patrice Eric Jean-Jacques Mollard
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Institut de Génomique Fonctionnelle (IGF), França  
Vinculado à bolsa:14/25888-7 - Caracterização das bases moleculares envolvendo a expressão dos genes do relógio circadiano da adenohipófise em diferentes estados tiroidianos e as consequências sobre a síntese/secreção dos hormônios hipofisários, BP.PD
Assunto(s):Tri-iodotironina   Ritmo circadiano   Hipotireoidismo   Hipertireoidismo

Resumo

A adenohipófise ocupa uma posição central no eixo hipotálamo-hipófise-glândulas periféricas /tecidos, atuando na síntese e secreção de hormônios envolvidos com o controle de diversas funções biológicas como reprodução, crescimento e metabolismo. A concentração plasmática dos hormônios hipofisários apresenta flutuações ao longo das 24 h, porém o mecanismo molecular responsável pela geração e manutenção destas oscilações ainda permanece indefinido. A geração/manutenção da ritmicidade circadiana, seja central ou periférica, apoia-se em um conjunto de genes denominados genes do relógio que se autorregulam através de alças de retroalimentação transcricionais positivas e negativas em um período de 24 h. Estes, ainda, estão envolvidos na regulação de diversos genes relacionados à ritmicidade, resposta hormonal, regulação do crescimento e morte celular em células da adenohipófise. Sabe-se que no hipotiroidismo e hipertiroidismo ocorrem alterações na secreção dos principais hormônios hipofisários como GH, TSH e LH, e que a disponibilidade tecidual de T3 é controlada pela atividade da enzima desiodase tipo 2 que, por sua vez, apresenta ritmo circadiano. Estes dados sugerem que as células da adenohipófise apresentam um relógio intrínseco e que o padrão de expressão dos genes do relógio pode estar alterado nos diferentes estados tiroidianos, influenciando direta ou indiretamente a síntese/secreção dos hormônios hipofisários. Para investigar esta hipótese, faremos uma análise da síntese e secreção dos hormônios hipofisários e da expressão dos genes do relógio em dois modelos: a) camundongos duplo knockout para Cry1 e 2 (apresenta perda global da funcionalidade do relógio) e b) camundongos com Bmal1 silenciado em tireotrofos [Bmal1flox/;Tg(Tshb-cre)] (perda do relógio funcional apenas em tireotrofos). Ambos modelos serão submetidos ao hipo ou hipertiroidismo na fase adulta. Nestas condições, o conteúdo de mRNA dos genes relógio na adenohipófise será avaliado por RT-qPCR, a secreção circadiana dos hormônios hipofisários (a cada 3 h por 24 h) será avaliada usando ensaio de ELISA, a distribuição de BMAL1 nos diferentes tipos celulares da adenohipófise será feita por imunohistoquímica e a atividade locomotora será avaliada por análise de corrida em rodas de atividade. Assim, o objetivo deste projeto é correlacionar as alterações observadas nos diferentes eixos hipotálamo-hipófise-glândula durante o hipo e hipertiroidismo com o papel do relógio circadiano hipofisário. (AU)