Busca avançada
Ano de início
Entree

Respostas de busca e autoadministração de cocaína após treino em contingências operante e Pavloviana

Processo: 16/22210-5
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 28 de fevereiro de 2017
Vigência (Término): 27 de fevereiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Miriam Garcia Mijares
Beneficiário:William Eduardo Patarroyo Serna
Supervisor no Exterior: Emilio Ambrosio Flores
Instituição-sede: Instituto de Psicologia (IP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Universidad Nacional de Educación a Distancia (UNED), Espanha  
Vinculado à bolsa:14/25020-7 - Auto e Heteroadministração de morfina em ratos: diferenças gênicas e comportamentais, BP.DR
Assunto(s):Cocaína   Controle do estímulo   Autoadministração   Transtornos relacionados ao uso de substâncias

Resumo

Estudos reportando que a autoadministração repetida de drogas de abuso causa mudanças gênicas e comportamentais diferentes às causadas pela administração passiva repetida da mesma droga têm sido chave para compreender a dependência às drogas. O objetivo principal deste projeto é comparar os comportamentos de busca e autoadministração de cocaína induzidos por um estímulo relacionado à droga após aprendizagem de administração nas contingencias Operante e Pavloviana. Além das comparações comportamentais, serão comparadas as expressões de DFosB, receptores dopaminérgicos D1 e D2, e receptores glutamatérgicos NMDA entre sujeitos expostos às duas contingências de aprendizagem. Para fazer isto será utilizado um procedimento acoplado (yoked) em ratos. OS sujeitos serão distribuídos em três grupos: contingente à cocaína (CCoc), acoplado à cocaína (YCoc) e acoplado à salina (YSal). Os sujeitos do grupo CCoc serão expostos a um treino discriminativo, enquanto que os dos outros grupos receberão infusões passivamente em treino Pavloviano. Quando o sujeito do grupo CCoc responder (nose poke) na presença de S+ (estímulo sonoro), terá como consequência uma infusão de cocaína ou salina acompanhada de S+. S- será apresentado para cada trio simultaneamente. Posteriormente os sujeitos serão treinados individualmente no encadeamento das respostas de busca e autoadministração de cocaína, pressão à barra retrátil 1 e 2. Após estabilidade de infusões, os sujeitos serão expostos a testes de transferência nos quais serão apresentadas tentativas de S1 e S2 com as duas barras disponíveis. As respostas de busca e autoadministração de cocaína serão registradas e comparadas entre grupos. Serão realizadas análises imunohistoquímicas para a expressão de génica de DFosB, assim como análises por autorradiografia para receptores dopaminérgicos D1 e D2, e receptores glutamatérgicos NMDA em diferentes regiões cerebrais, após as diferentes fases do experimento, para comparar entre grupos.