Busca avançada
Ano de início
Entree

Reconstituição paleoclimática e paleoambiental do último período glacial no centro-oeste brasileiro

Processo: 16/15807-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2017
Situação:Interrompido
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Francisco William da Cruz Junior
Beneficiário:Valdir Felipe Novello
Instituição-sede: Instituto de Geociências (IGC). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/50297-0 - Dimensions US-BIOTA São Paulo: integrando disciplinas para a predição da biodiversidade da Floresta Atlântica no Brasil, AP.BTA.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):18/12285-3 - Modelamento do sistema cárstico e sua relevância para a reconstituição paleoclimática do Brasil, BE.EP.PD   17/23687-2 - Expansão dos registros paleoclimáticos de espeleotemas coletados no Centro Oeste do Brasil, BE.EP.PD
Assunto(s):Biodiversidade   Biogeografia   Isótopos   Mudança climática

Resumo

O Sistema de Monção Sul-americana (SMSA) é responsável pelas chuvas na maior parte do território brasileiro, no entanto, existe acentuada variabilidade espacial na distribuição de chuvas sobre a região do seu domínio, com grande contraste de precipitação entre a região que se estende do Nordeste ao leste amazônico em relação ao sudeste e oeste da Amazônia. Esse contraste na distribuição média de chuvas na escala de centenas a milhares de anos é muito importante nos estudos de biogeografia e biodiversidade na América do Sul. Assim, para a melhor compreensão dos padrões de precipitação na América do Sul e suas implicações nas evoluções dos biomas do território brasileiro, é necessário expandir espacialmente e temporalmente os registros paleoclimáticos de alta resolução. Para esse projeto de pós-doutorado, é proposto a obtenção de novos registros paleoclimáticos de espeleotemas de cavernas da região do entorno do Pantanal , de forma apoiar os estudos associados aos projetos temáticos FAPESP [Integrando disciplinas para a predição da biodiversidade da Floresta Atlântica do Brasil (proc. FAPESP: 2013/50297-0) e Estruturação e evolução da biota amazônica e seu ambiente: uma abordagem integrativa (proc. FAPESP: 2012/50260-6)].A reconstituição peloclimática do Pantanal é extremamente necessária no cenário de mudanças climáticas da América do Sul, pois essa região ocupa uma posição estratégica localizada no caminho da distribuição de umidade proveniente da Amazônia para a costa Atlântica do Brasil. Além disso, o Pantanal abriga uma das maiores diversidades biológicas do planeta sendo considerada pela UNESCO patrimônio da biosfera mundial, estando próxima aos biomas da floresta amazônica, chaco, cerrado e mata atlântica, o que torna a reconstituição paleoclimática da região imprescindível para estudos e testes de evolução biológica associados ao clima.Em associação a reconstituição do paleoclima será dada continuidade ao projeto de monitoramento ambiental e isotópico nas cavernas onde foram coletados os espeleotemas desse estudo, com o intuito de calibrar e desenvolver indicadores ambientais presentes nesse depósito sedimentar. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.