Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da resposta nociceptiva secundária à administração individual e combinada de doadores de sulfeto de hidrogênio (H2S) e óxido nítrico (no) na articulação temporomandibular (ATM) de ratos

Processo: 16/18123-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2017
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Cirurgia Buco-maxilo-facial
Pesquisador responsável:Marcelo Nicolas Muscara
Beneficiário:Mayrine Fonseca de Oliveira
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Hiperalgesia   Óxido nítrico   Sulfeto de hidrogênio   Modelos animais

Resumo

O sulfeto de hidrogênio (H2S) é um mediador gasoso produzido endogenamente em mamíferos, principalmente pelas enzimas cistationina-³-liase (CSE) e cistationina-²-sintetase (CBS), utilizando L-cisteína como substrato. Trabalhos recentes do nosso laboratório mostram que doadores de H2S tais como o composto GYY-4137 (liberação lenta) ou o NaHS (liberação espontânea) mostram efeitos anti-nociceptivos e antiinflamatórios frente à sinovite de articulação temporomandibular (ATM) induzida pela injeção intra-articular (i.art.) de carragenina em ratos. Em contrapartida, e a pesar das controvérsias sobre o papel do óxido nítrico (NO) na hiperalgesia, resultados obtidos recentemente no nosso laboratório evidenciam que a administração i.art. do doador de NO S-nitroso N-acetil penicilamina - SNAP na cavidade articular da ATM de ratos, promove alodinia mecânica de forma dependente da dose. Desta forma, o objetivo deste projeto é estudar a interação entre o NO e o H2S na ATM de ratos de ambos os sexos em termos de nocicepção, assim como os possíveis mecanismos envolvidos. Inicialmente, caracterizaremos a via NO-sGC (guanilato ciclase solúvel)-cGMP (guanosina monofosfato cíclico) pela quantificação das concentrações sinoviais de cGMP, assim como pelo tratamento farmacológico com inibidor da sGC e/ou com inibidor da fosfodiesterase V responsável pela degradação do cGMP. Ainda investigaremos outras vias de atuação do NO (tais como a os canais de potássio dependentes de cálcio e nitração de resíduos proteicos de tirosina), assim como a interferência sobre canais de potássio dependentes de ATP passíveis de ativação pelo H2S (e bloqueáveis pela glibenclamida). Os resultados serão apresentados como média ± erro padrão da média e as diferenças entre grupos devidas a tratamentos serão avaliadas por ANOVA de uma via seguido do teste de Dunnett, ou ANOVA de duas vias para interações entre tratamentos e sexo/ciclo estral. (AU)