Busca avançada
Ano de início
Entree

Evolução morfológica do crânio em linhagens fossoriais de Gymnophthalmidae (Squamata)

Processo: 16/16385-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2017
Vigência (Término): 01 de janeiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Morfologia dos Grupos Recentes
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Tiana Kohlsdorf
Beneficiário:Vinicius Anelli
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/07650-6 - Ecologia, evolução e desenvolvimento (Eco-Evo-Devo) na herpetofauna brasileira, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):17/17889-1 - As múltiplas origens da fossorialidade em lagartos: evolução morfológica do crânio em grupos que se enterram com a cabeça, BE.EP.MS
Assunto(s):Biodiversidade   Fenótipo   Crânio

Resumo

A evolução de formas corpóreas similares a partir de processos evolutivos independentes corrobora a esperada relação entre ambiente e morfologia durante a história evolutiva de linhagens biológicas. Um bom exemplo de transição ecológica envolvendo variações morfológicas similares em Tetrapoda é a evolução da fossorialidade, hábito ecológico em que o deslocamento e a realização de diversas atividades diárias ocorrem no subsolo, sendo frequentemente associada a espécies alongadas e ápodes. Esse hábito ecológico evoluiu independentemente diversas vezes dentre os vertebrados, e a frequência de origens independentes da fossorialidade é particularmente evidente em Squamata (lagartos, serpentes e anfisbênias). O crânio, como estrutura complexa e envolvida em diversas funções, tem papel fundamental nesses animais no deslocamento por enterramento no substrato. Embora essa estrutura tenha sido bastante estudada em vertebrados sob a ótica da modularidade, permanece obscuro se as similaridades morfológicas na forma do crânio em diferentes linhagens fossoriais poderiam estabelecer-se a partir de modificações distintas nos diversos elementos que compõem tal estrutura. A presente proposta de projeto de mestrado objetiva investigar a evolução da forma do crânio em Gymnophthalmidae com foco na origem independente de duas linhagens fossoriais no clado. O projeto será desenvolvido a partir de análises da variação do contorno da cabeça em 25 espécies de lagartos dessa família, utilizando morfometria geométrica para testar a hipótese de que a forma do crânio evoluiu em associação com a fossorialidade mas envolvendo alterações em elementos distintos do crânio ao longo dessas duas transições ecológicas independentes. A partir dos resultados obtidos nessa escala taxonômica mais ampla, pretende-se avaliar em detalhe os elementos ósseos do crânio por meio de CT-scan em espécies-chave representantes das diferentes morfologias identificadas. A abordagem integradora de diferentes áreas do conhecimento evolutivo que caracteriza esse projeto contribuirá para a compreensão dos processos de origem de diversidade fenotípica e de convergências adaptativas durante o estabelecimento da forma da cabeça em linhagens fossoriais. (AU)