Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da frequência de mutação no gene TERT e sua associação com a progressão do câncer de mama

Processo: 16/19944-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2017
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Márcia Maria Chiquitelli Marques Silveira
Beneficiário:Sara de Freitas Abrão
Instituição-sede: Hospital do Câncer de Barretos. Fundação Pio XII (FP). Barretos , SP, Brasil
Assunto(s):Metástase   Neoplasias mamárias   Telomerase   Expressão de proteínas   Polimorfismo genético

Resumo

As neoplasias da mama são a principal causa de mortalidade por câncer entre mulheres. As metástases são responsáveis por cerca de 90% das mortes em pacientes acometidos por este tipo tumoral, apontando os processos de invasão e metástases importantes no papel de disseminação do câncer. Além disso, a metástase é o processo que mais frequentemente afeta o gerenciamento clínico de pacientes com câncer. Apesar do conhecimento de que o processo metastático segue múltiplos passos sequenciais, as bases moleculares das vias que regem estes passos ainda permanecem obscuras. Trabalhos recentes tem demostrado que a reativação da expressão da enzima telomerase é referida como uma característica comum em vários tipos de tumores sólidos humanos. No entanto, as bases genético moleculares deste processo ainda é muito pouco compreendida. Sabe-se que a presença de mutações somáticas na região promotora do gene TERT (human telomerase reverse transcriptase) é frequente em muitos tumores. No entanto, no contexto do câncer de mama este cenário ainda é muito pouco explorado. Desta maneira, o objetivo geral deste trabalho é identificar a frequência de mutações somáticas da região promotora do gene TERT e a perda de expressão de ATRX, e avaliar frequência do polimorfismo rs2853669 em TERT mutado (-245bp A>G) em pacientes brasileiros com câncer de mama. A frequência de mutações será realizada por meio da técnica de PCR seguida de pirosequenciamento, enquanto a presença do polimorfismo será avaliada por sequenciamento direto (Sanger). Os dados clínicos e moleculares serão organizados em um banco de dados utilizando o programa SPSS versão 19. A média e frequência das mutações serão analisadas utilizando o ambiente estatístico-matemático R. Finalmente, por meio do teste exato de Fisher avaliaremos o valor prognóstico da frequência destas mutações e presença do polimorfismo em pacientes com câncer de mama. (AU)