Busca avançada
Ano de início
Entree

Transmissividade de LNAPLs em áreas contaminadas do estado de São Paulo

Processo: 16/18917-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2017
Vigência (Término): 31 de julho de 2017
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Sanitária - Saneamento Ambiental
Pesquisador responsável:Juliana Gardenalli de Freitas
Beneficiário:Ellen Caroline Puglia Leite
Instituição-sede: Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas (ICAQF). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Diadema. Diadema , SP, Brasil
Assunto(s):Poluição do solo   Poluição de águas subterrâneas   Remediação ambiental

Resumo

A contaminação do solo e água subterrânea por compostos não aquosos menos densos que a água (LNAPL - Light Non-Aqueous Phase Liquids) é um problema ambiental muito frequente, já que muitos destes são amplamente utilizados em indústrias e no setor de serviços, como, por exemplo, a gasolina e outros hidrocarbonetos derivados do petróleo. A presença destes compostos no meio pode causar impactos negativos tanto ao ambiente quanto à saúde humana, pela contaminação da água e do solo e emissões de vapores. Além disso, os LNAPLs são fontes secundárias de contaminação de alta persistência. Assim, o desenvolvimento de técnicas de remediação eficazes são cada vez mais importantes para solucionar esse problema. Um parâmetro que vem sendo utilizado para aprimorar essas técnicas é a transmissividade de NAPL, que quantifica a mobilidade da fase livre considerando as características do contaminante, como sua densidade e viscosidade, e da área contaminada, como porosidade, condutividade hidráulica e heterogeneidade do solo, a fim de compreender seu comportamento no meio poroso. Esse parâmetro vem sendo empregado principalmente em regiões de clima temperado, por esse motivo, o estudo em solos submetidos a condições de clima tropical se faz importante, uma vez que o comportamento do contaminante tende a variar de acordo com as características de cada solo. Além disso, os combustíveis no Brasil possuem composição distinta, destacando-se a maior fração de etanol. Assim, para avaliar a aplicabilidade desse parâmetro no estado de São Paulo e subsidiar futuras normas e regulamentações é necessário avaliar e adaptar a metodologia para as condições típicas do estado. (AU)