Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigação dos efeitos endoteliais da taurina na restrição protéica: uma abordagem in vivo e in vitro

Processo: 16/14461-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2017
Vigência (Término): 30 de abril de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Ana Paula Couto Davel
Beneficiário:Daniele Mendes Guizoni
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/01717-9 - Investigação dos efeitos insulinotrópicos, insulinomiméticos e endoteliais da taurina em células/tecidos submetidos à restrição in vitro de aminoácidos: uma abordagem integrada e multifocal, AP.TEM
Assunto(s):Disfunção endotelial   Camundongos   Óxido nítrico   Taurina

Resumo

A deficiência nutricional é um problema de saúde pública que acomete principalmente crianças de países em desenvolvimento. A desnutrição durante o desenvolvimento e maturação favorece o aparecimento de desordens metabólicas e cardiovasculares asso-ciadas à disfunção endotelial como hipertensão arterial e o diabetes tipo 2. Nesse con-texto, a taurina, aminoácido com ação insulinotrópica, vasodilatadora e antioxidante, pode constituir um importante coadjuvante terapêutico. Embora evidências ressaltem a relevância desse aminoácido como potencial regulador endócrino e cardiovascular, ainda restam questionamentos acerca dos mecanismos pelos quais sua ação ocorre. O objetivo deste projeto é esclarecer os mecanismos associados aos efeitos endoteliais da taurina frente à restrição proteica. Para tanto duas abordagens metodológicas serão uti-lizadas: 1) modelo in vitro: células endoteliais submetidas à restrição de aminoácidos; 2) modelo in vivo: camundongos submetidos à dieta de restrição proteica pós-desmame por 3 meses. Nas células endoteliais submetidas à restrição de aminoácidos será avalia-do o efeito da exposição in vitro à taurina sobre a produção do fator vasodilatador e anti-agregante plaquetário óxido nítrico (NO), e a sinalização celular envolvida. Os animais submetidos à restrição proteica pós-desmame serão concomitantemente tratados ou não com taurina na água de beber. Ao final de 3 meses avaliar-se-á a pressão arterial sistólica por pletismografia de cauda e a função vasodilatadora dependente e independente do endotélio, assim como a produção de NO em artérias mesentéricas de resistência e artérias intralobulares pancreáticas. Assim, pretende-se elucidar os meca-nismos envolvidos nos efeitos endoteliais da taurina e sua implicância na regulação da pressão arterial e no controle do tônus vascular e fluxo sanguíneo em diferentes leitos vasculares, incluindo as ilhotas pancreáticas. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BALTIERI, NATALI; GUIZONI, DANIELE M.; VICTORIO, JAMAIRA A.; DAVEL, ANA P. Protective Role of Perivascular Adipose Tissue in Endothelial Dysfunction and Insulin-Induced Vasodilatation of Hypercholesterolemic LDL Receptor-Deficient Mice. FRONTIERS IN PHYSIOLOGY, v. 9, MAR 19 2018. Citações Web of Science: 6.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.