Busca avançada
Ano de início
Entree

Provendo evidência de validade de constructo para os indicadores de risco de vieses de ensaios clínicos na área da Alzheimer e outras demências

Processo: 16/22586-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2017
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Pesquisador responsável:Hugo Cogo Moreira
Beneficiário:Filipe Nishiyama
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Doença de Alzheimer   Demência   Revisão sistemática   Psiquiatria geriátrica   Estudos de validação

Resumo

Diferentes revisões sistemáticas tem sido conduzidas a respeito da efetividade e eficiências de intervenções de diferentes modalidades para a doença de Alzheimer (AD) e outras demências; essas vão desde intervenções medicamentosas como, por exemplo, ibuprofeno, canabidióide e tiamina até baseadas aquelas baseadas em uso de vitaminas como B6 e B12. Na base dados da Cochrane, um grupo dedicado a prover evidências por meio de revisões sistemáticas, podemos encontrar, atualmente, 25 revisões sistemáticas para tratamento de AD e outras demências, totalizando 95 ensaios clínicos conduzidos. Posto que os ensaios clínicos possuem vieses que podem comprometer a natureza dos achados (randomização, alocação, cegamento dos participantes e da equipe, cegamento do avaliador, dados de resultados incompletos) a própria Cochrane tem como praxe avaliar os riscos de vieses por meio dos itens acima descritos, classificando-os em low, unclear, e high risk. Existem outras formas de avaliar risco de vieses/qualidade de ensaios clínicos em revisões sistemáticas (por exemplo, JADAD). Até o momento, ambas as ferramentas citadas não apresentam estudos sobre a sua validade de constructo. Entende-se por validade de constructo um dos tipos de validade (por exemplo, validade convergente, validade divergente, validade de critério) que visa avaliar o quão bem os itens de um dado questionário/escala/bateria estão, de fato, avaliando um fenômeno não diretamente observável (no nosso caso, o risco de viés). Dito de uma outra forma, a validade de constructo provém evidências tanto empíricas quanto teóricas sobre um dado instrumento. A técnica estatística usada para se obter tal tipo de validade é chamada de análise fatorial confirmatória. Este trabalho visa prover evidências de validade de constructo para o conjunto de sete indicadores propostos pela Cochrane para avaliar o risco de viés. Para tal, usaremos os sete indicadores da Cochrane como variáveis observáveis e subjacente a eles teríamos um fator chamado risco de viés. Tal tipologia analítica é comumente usada para avaliar traços/domínios/fatores psíquicos e uma das inovações desse projeto é poder usar tal técnica para avaliar um fator que não é humano, mas, sim, um traço encontrado em ensaios clínicos - o risco de viés. Usaremos o Mplus (software específico para trabalhar com variáveis latentes) e os seguintes índices de adequação para avaliar o modelo subjacente aos itens de avaliação de risco de viés da Cochrane: Dz, Comparative Fit Indice (CFI), Tucker-Lewis index (TLI), Root Mean Square Error of Approximation (RMSEA) e Weighted Root Mean Square Residual (WRMR). (AU)