Busca avançada
Ano de início
Entree

Lúpus eritematoso cutâneo: análise histológica, imuno-histoquímica e de imunofluorescência direta comparativa entre pacientes com e sem a forma sistêmica segundo duas classificações

Processo: 16/15336-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2017
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Pesquisador responsável:Maria Letícia Cintra
Beneficiário:Larissa Juliana Batista da Silva
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Imuno-histoquímica   Imunofluorescência   Patologia   Lúpus eritematoso cutâneo   Lúpus eritematoso sistêmico   Classificação de doenças

Resumo

O lúpus eritematoso (LE) pode evoluir com lesões puramente cutâneas a doença sistêmica potencialmente fatal. As formas cutâneas são classificadas em LE Cutâneo (LEC) agudo, subagudo, crônico e túmido, conforme critérios clínicos, histológicos e laboratoriais. A análise da influência de fatores sistêmicos, na expressão fenotípica local cutânea de marcadores de resposta inflamatória e anti-inflamatória, pode acrescentar informação ao conhecimento da patogênese da doença. O objetivo deste projeto é correlacionar os achados histológicos, de imunofluorescência direta e dos marcadores de resposta inflamatória e anti-inflamatória, de espécimes de biopsias de pacientes com LEC, com a presença ou não de doença sistêmica, segundo duas classificações: a do American College of Rheumatology de 1982 e a do International Collaborating Clinics de 2012. Empregando os critérios destas duas classificações, um mesmo paciente poderá ser classificado como portador de doença sistêmica por uma classificação e apenas cutânea por outra. Resgatamos 59 amostras de pele com diagnóstico de LEC, que já foram anteriormente estudadas por técnicas histológicas e imunoistoquímicas, para a avaliação das respostas inflamatória, anti-inflamatória e T citotóxica. Os resultados já foram tabulados e serão empregados para este projeto. A seguir, vamos anotar os dados clínicos destes pacientes, em fichas protocolares e, posteriormente, correlacioná-los com os achados imunofenotípicos até agora coletados e tabulados com base nas duas classificações empregadas para lúpus sistêmico. (AU)