Busca avançada
Ano de início
Entree

Treinamento da musculatura do assoalho pélvico para mulheres com incontinência urinária de esforço

Processo: 16/25686-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2017
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Patricia Driusso
Beneficiário:Cristiano Carvalho
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/06838-4 - Treinamento da musculatura do assoalho pélvico para mulheres com incontinência urinária de esforço, AP.R
Assunto(s):Mulheres   Saúde da mulher   Incontinência urinária   Fisioterapia

Resumo

Este projeto é constituído por dois estudos, cujos objetivos são: 1. Avaliar os efeitos do tratamento fisioterapêutico individual versus tratamento individual com progressão para grupo versus treino somente em grupo em mulheres com incontinência urinária de esforço. 2. Avaliar os efeitos da terapêutica laser de baixa intensidade sobre a função da musculatura do assoalho pélvico, qualidade de vida e sintomas urinários em mulheres pós-menopausadas com incontinência urinária de esforço. O Estudo 1 será um ensaio clínico randomizado cego, serão selecionadas 90 mulheres com incontinência de esforço. Será realizada anamnese e as mulheres responderão ao "King's Health Questionnaire". Será avaliada a função da MAP por meio da palpação digital e perineometria durante repouso e contração voluntária máxima. As voluntárias serão alocadas em três grupos: Grupo1: Treino Individual com progressão para treino em grupo, Grupo 2: Treino Individual, Grupo 3: Treino em grupo. Em cada grupo, as voluntárias participarão de 12 sessões sendo uma vez por semana com 30 minutos de duração que será realizada por um único fisioterapeuta. No grupo 1 os quatro primeiros atendimentos serão individuais(com palpação vaginal) e depois a voluntária será encaminhada ao atendimento em grupo. O grupo 2 participará somente de atendimentos individuais(com palpação vaginal do primeiro ao quarto atendimento) e o terceiro haverá treino em grupo. As voluntárias serão reavaliadas após 12 atendimentos e receberão a Escala de Autoeficácia para Prática de Exercícios do Assoalho Pélvico, após três meses (do fim do tratamento fisioterapêutico) e seis meses (da data da alta). Testes estatísticos adequados serão aplicados para analisar as variáveis do estudo. O Estudo 2 é um estudo clínico randomizado e controlado. Serão recrutadas 94 mulheres pós menopausadas com incontinência urinária de esforço. As voluntárias farão uma anamnese, avaliação funcional da MAP pelo método PERFECT, perineômetro e eletromiografia. Após a randomização as voluntárias serão alocadas em dois grupos de atendimento individual: Grupo1 (G1): Treinamento da musculatura do assoalho pélvico associado à aplicação do LLLT à dosagem de 250 J e Grupo 2 (G2): mesmo treinamento do G1 com LLLT placebo. Para o estudo, no grupo 1, será utilizado o LLLT nos seguintes parâmetros: modo contínuo, potência de 100mW, energia por ponto 7.0 J, densidade de energia de 250 J/cm², energia total de 56 J e tempo de irradiação de 1 minuto e 10 segundos por ponto. A irradiação será realizada no modo de aplicação pontual de contato (90o em contato direto com a pele), em cinco pontos devidamente distribuídos da musculatura do assoalho pélvico. O LLLT será devidamente aplicado em 6 pontos da região da musculatura do assoalho pélvico, sendo estabelecido por este estudo, como dois pontos em região de trígono vaginal e três pontos em região de trígono anal, um ponto em região de corpo do períneo (músculo elevador do ânus). As pacientes serão reavaliadas com os mesmos parâmetros após as 12 sessões de fisioterapia, seguida de outras reavaliações após seis meses (da data da alta) e um ano (da data do primeiro atendimento). Testes estatísticos adequados serão aplicados para analisar as variáveis do estudo.