Busca avançada
Ano de início
Entree

Atividade de SHH e CXCL12 na proliferação e diferenciação de células-tronco neurais do cerebelo (CTNC)

Processo: 16/25400-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2017
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Marimélia Aparecida Porcionatto
Beneficiário:Giovana Longatti Baptista
Instituição-sede: Instituto Nacional de Farmacologia (INFAR). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Células-tronco neurais   Cerebelo   Diferenciação celular   Proliferação celular   Modelos animais

Resumo

O cerebelo é responsável pelo controle de diferentes processos motores e cognitivos. Por apresentar arquitetura celular simplificada e por ter grande parte do seu desenvolvimento após o período embrionário, o cerebelo também consiste em um importante modelo para estudos de neurogênese. A partir de camundongos neonatos e adultos, podem ser isoladas células-tronco neurais cerebelares (CTNC) com capacidade de gerar os principais tipos de celulares do cerebelo. O objetivo do nosso projeto é caracterizar as CTNC extraídas de camundongos adultos e neonatos de acordo sua proliferação e diferenciação em resposta ao Sonic hedgehog (Shh), um dos principais mitógenos envolvidos no desenvolvimento do sistema nervoso, e ao CXCL12, citocina que interfere na via de sinalização do Shh e influencia a migração de precursores neurais. Para isso, extrairemos CTNC de camundongos C57/black em P6 e P45 e realizaremos a quantificação de receptores de Shh (Smoothened e Patched) e de CXCL12 (CXCR4 e CXCR7) nas CTNC por PCR quantitativa (qPCR). Após tratarmos as CTNC in vitro com Shh e CXCL12 em conjunto ou isoladamente, avaliaremos suas taxas de proliferação e autorrenovação por contagem e medição de neuroesferas e seu perfil de diferenciação por imunocitoquímica. Também avaliaremos esses parâmetros em resposta a ensaios de pré-tratamento das células com CXCL12 seguidos de administração de Shh. Em conjunto, os resultados mostrarão como o Shh atua na proliferação e diferenciação de CTNC cultivadas in vitro, e se o CXCL12 é um fator necessário e/ou condicionante para a ação do Shh. (AU)