Busca avançada
Ano de início
Entree

Genotoxicidade e mutagenicidade de scaffolds à base de Poli(hidroxibutirato-co-valerato) (PHBV) e PHBV-apatita radiopaca (PHBV-La20OAP)

Processo: 16/25025-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2017
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Mutagênese
Pesquisador responsável:Ticiana Sidorenko de Oliveira Capote
Beneficiário:Joissi Ferrari Zaniboni
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Biomateriais   Engenharia tecidual   Regeneração óssea   Lantânio   Genotoxicidade

Resumo

Scaffolds à base de poli(hidroxibutirato-co-valerato) (PHBV) e PHBV-apatita radiopaca (PHBV-La20AP) foram desenvolvidos pelo Instituto de Química de Araraquara - UNESP, por meio do método de manufatura aditiva (impressão 3D). O PHB nos últimos anos ganhou um destaque em relação a outros polímeros reabsorvíveis, porém por apresentar certas desvantagens, adicionou-se o polihidroxivalerato para melhorar a ductilidade e a processabilidade do polímero e, assim, o poli(hidroxibutirato-co-valerato) (PHBV) tem sido material de extensa pesquisa para aplicações biomédicas. O lantânio (La), elemento terra rara que possibilita características radiopacas, foi utilizado com o intuito de permitir uma visualização nítida em radiografias, com a finalidade de facilitar o diagnóstico por meio de imagens. Por meio dos ensaios XTT e Sobrevivência Clonogênica, verificamos que os referidos materiais não foram citotóxicos. Assim, o objetivo desse trabalho será continuar a avaliação dos materiais PHBV e PHBV-La20AP, verificando o potencial genotóxico (Ensaio Cometa - EC) e mutagênico (Teste do Micronúcleo - MN) para possível aplicação em engenharia tecidual como biomaterial para reparação óssea, permitindo sua visualização em radiografias médicas e odontológicas. Serão cultivadas células CHO-K1 (5×104 - EC; 37x104 - MN). Eluatos confeccionados com os materiais serão preparados de acordo com a ISO 10993-12 em diferentes concentrações (100%, 75%, 50%, 25%). Os eluatos permanecerão em contato com as células por 24 horas. Para o teste do Micronúcleo (MN) será avaliado o Índice de Divisão Nuclear (IDN), a frequência de células binucleadas com micronúcleos e frequência de micronúcleos. Para o ensaio cometa, será analisado o dano ao DNA por um sistema de análise de imagem. Três repetições independentes serão realizadas para cada ensaio. Os dados obtidos serão submetidos aos testes de variância (ANOVA) e caso sejam paramétricos, serão feitos os testes Tukey e Dunnett. Caso os dados não preencham os requisitos necessários para análise paramétrica, serão aplicados testes não-paramétricos. O nível de significância adotado será de 5%. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.