Busca avançada
Ano de início
Entree

Iniciação do andar e doença de parkinson: influência da presença de um obstáculo, da tarefa cognitiva e da informação sensorial

Processo: 16/14950-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2017
Vigência (Término): 30 de abril de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Pesquisador responsável:Fabio Augusto Barbieri
Beneficiário:Lucas Simieli
Instituição-sede: Faculdade de Ciências (FC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Bauru. Bauru , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):18/03146-0 - Iniciação do andar durante a descida de degrau: ajustes posturais antecipatórios e reativos, BE.EP.DR
Assunto(s):Doença de Parkinson

Resumo

A dificuldade na iniciação da marcha é recorrente em pacientes com doença de Parkinson (DP). A ausência de ajustes posturais antecipatórios (APAs) que ocorrem antes do início do movimento de andar são as principais causas de dificuldades nesta população e está relacionada com os sinais e sintomas comuns na DP como acinesia e instabilidade postural. O aumento na complexidade motora e na demanda cognitiva e sensorial pode prejudicar ainda mais a iniciação do andar de pacientes com DP. Assim, este estudo tem como objetivo investigar o efeito da presença de obstáculo, da tarefa dupla e da restrição sensorial durante o início do andar em pacientes com DP. Para isso, uma sequência quatro estudos serão desenvolvidos. No primeiro estudo será realizada uma revisão sistemática com objetivo de determinar as mudanças nos parâmetros de centro de pressão, APAs e espaço-temporais durante a iniciação da marcha de pacientes com DP. Os estudos posteriores terão objetivo de verificar o efeito da presença do obstáculo de diferentes alturas na iniciação do andar, de analisar a influência da sobrecarga cognitiva e de determinar a contribuição da informação visual e proprioceptiva na iniciação do andar com e sem a presença do obstáculo em pacientes com DP. Em cada estudo participarão 20 pacientes com DP e 20 idosos neurologicamente sadios. Todos os participantes serão avaliados cognitivamente, sendo que os pacientes com DP ainda serão avaliados clinicamente. Os participantes serão instruídos a iniciar o andar e percorrer uma passarela de 10m em velocidade preferida. Serão avaliados os dois primeiros passos de cada tentativa, sendo analisado os APAs, os parâmetros espaço-temporais do andar, a atividade muscular e o comportamento do olhar de acordo com o objetivo de cada estudo. Os parâmetros de interesse serão comparados através de MANOVAs com fatores de acordo com as variáveis independente e questões de cada estudo.