Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da toxina adenilato ciclase de Bordetella pertussis como um vetor de entrega para o antígeno PspA de Streptococcus pneumoniae

Processo: 17/01701-3
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de setembro de 2017
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Maria Leonor Sarno de Oliveira
Beneficiário:Júlia Tavares de Castro
Supervisor no Exterior: Daniel Ladant
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Institut Pasteur, França  
Vinculado à bolsa:16/17258-9 - Bordetella pertussis e seus componentes como sistemas de entrega e adjuvantes para o desenvolvimento de vacinas contra Streptococcus pneumoniae, BP.DD
Assunto(s):Bordetella pertussis   Streptococcus pneumoniae

Resumo

Streptococcus pneumoniae (pneumococo) é uma das principais causas de pneumonia, meningite e infecções generalizadas em crianças no mundo todo. Estimativas recentes calculam que aproximadamente 400.000 crianças menores de 5 anos morrem anualmente por infecções causadas por S. pneumoniae ao redor do mundo. A proteína A de Superfície de Pneumococo (PspA) é um antígeno bem caracterizado, que confere proteção em modelos animais, representando uma boa alternativa para as vacinas conjugadas atuais. A indução de resposta imune protetora direcionada a PspA em modelos animais já foi descrita, porém poucos adjuvantes de baixo custo, para a composição de uma vacina de subunidade, foram propostos até hoje. Em trabalhos anteriores, nosso grupo testou o uso da vacina celular pertussis (wP) produzida no Instituto Butantan, como adjuvante, em combinação a PspA. A vacina wP é um dos componentes da vacina tríplice DTP (difteria, tétano, pertussis) fornecida às crianças brasileiras pelo Ministério da Saúde, aos 2, 4 e 6 meses de idade, com reforço aos 18 meses e 5 anos. A imunização nasal de camundongos BALB/c com uma combinação de PspA a wP, induziu altos níveis de anticorpos anti-PspA e conferiu proteção contra modelos de desafios letais e de colonização por S. pneumoniae. No projeto de mestrado propusemos a expressão de PspA na linhagem vacinal de B. pertussis, de forma a produzirmos uma vacina recombinante inativada (wPPspA). A porção N-terminal de PspA foi expressa com em fusão com a porção N-terminal do antígeno FHA (Filamentous hemagglutinin A) de B. pertussis. Alguns clones foram testados para imunização de camundongos e, apesar de induzirem níveis baixos de anticorpos anti-PspA, um aumento significativo da sobrevivência dos animais após o desafio letal com pneumococo foi observado. Com base nestes resultados promissores, propomos a continuação dos estudos durante o doutorado. Para tanto, é proposta uma modificação na sequência do gene fha, com o objetivo de melhorar a expressão da proteína FHA44:PspA4 na vacina wPPspA. A expressão de uma proteína de fusão FHA44:PspA4 em sistema de E. coli também será realizada, com o intuito de testarmos esta proteína recombinante como imunógeno, além de protocolos dose-reforço utilizando as vacinas wPPspA e FHA44:PspA4. Por fim, uma nova abordagem baseada nas propriedades adjuvantes da toxina adenilato cliclase (CyaA) de B. pertussis será também estudada. Este sistema utiliza a capacidade de ligação da CyaA a receptores presentes em células apresentadoras de antígeno. Como resultado, espera-se que a CyaA direcione a apresentação do PspA ao sistema imune, aumentando a resposta contra esta proteína.