Busca avançada
Ano de início
Entree

Potencial diagnóstico e prognóstico de novos marcadores de neoplasia de colo uterino

Processo: 17/02050-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de abril de 2017
Vigência (Término): 31 de agosto de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Daniela Baumann Cornelio
Beneficiário:Vanesca de Souza Lino
Empresa:Ziel Biosciences Pesquisa, Desenvolvimento e Diagnóstico Ltda
Vinculado ao auxílio:16/08367-9 - Potencial diagnóstico e prognóstico de novos marcadores de neoplasia de colo uterino, AP.PIPE
Assunto(s):Colo uterino   Saúde da mulher   Neoplasias do colo uterino   Infecções por Papillomavirus   Peptídeo liberador de gastrina

Resumo

O combate ao câncer de colo uterino é uma das grandes prioridades em saúde pública no mundo. Existe necessidade de se encontrar métodos alternativos ao tradicional exame Papanicolau. O câncer de colo uterino está intimamente relacionado com o papilomavírus humano (HPV). Testes de HPV para rastreamento primário estão sendo introduzidos em vários países. No entanto, são caros e precisam ser processados em laboratórios especializados, limitando sua implementação em países em desenvolvimento. Portanto, é fundamental o desenvolvimento de exames de baixo custo e com tecnologia simples, que possam beneficiar um grande número de pacientes. O receptor do peptídeo liberador da gastrina (GRPR) demonstrou estar superexpresso na presença de lesões neoplásicas do colo uterino, sendo encontrado tanto em lesões precursoras, como em carcinomas invasores. A calicreína 7 (HK7) também é um potencial marcador para lesões de colo uterino, estando particularmente relacionada com metástases e invasão tumoral. A superóxido dismutase-2 (SOD2) está implicada na carcinogênese de diversas neoplasias e demonstrou expressão crescente conforme a gravidade da doença cervical. A relação entre HPV e os marcadores acima ainda não foi avaliada. Estimamos que possam ser marcadores indiretos da presença de HPV, por mecanismos distintos. Até o momento não existem testes rápidos para detecção de HPV. O objetivo deste trabalho é avaliar a relação de GRPR, HK7 e SOD2 com HPV e lesões com potencial invasor, visando o desenvolvimento de um teste rápido que possa auxiliar no rastreamento inicial de lesões cervicais. Esta análise será realizada através de estudos com diversas técnicas. Imuno-histoquímica: amostras de lesões de colo uterino previamente testadas para HPV serão incubadas com os anticorpos anti-GRPR, anti-HK7, anti-SOD2 e p16. Como resultado, espera-se poder correlacionar a expressão dos marcadores à presença de diferentes HPVs oncogênicos e correlacionar a expressão dos marcadores à severidade das lesões. Culturas celulares: as linhagens SiHa (HPV 16), HeLa (HPV 18), CaSKi (HPV 16 e 18), C33 (HPV negativa) e queratinócitos humanos, serão testadas para a presença de GRPR, HK7 e SOD2 por PCR em tempo real. Como resultado, esperamos estabelecer um padrão de expressão de HPV e marcadores para testes das fases seguintes. Culturas organotípicas: será estabelecida com linhagem de fibroblastos e o equivalente dérmico será adicionado a QPH normais ou transduzidos com vetores retrovirais contendo os mutantes E6, E7 e HPV de alto e baixo risco. Após, serão obtidos cortes histológicos que serão submetidos à IHQ utilizando-se os anticorpos do estudo. Como resultado, esperamos compreender a relação de cada um dos marcadores em modelos distintos da carcinogênese cervical. PCR em tempo real: Esta técnica será utilizada para estabelecer e quantificar a presença dos marcadores nas linhagens celulares. O qPCR será fundamental na próxima fase do projeto, para poder determinar o ponto de corte de positividade dos marcadores nas amostras de pacientes. Caso os resultados deste projeto se mostrem positivos, a empresa Ziel Biosciences almeja desenvolver, em uma segunda fase, um teste rápido multiplex, inovando o mercado de rastreamento de câncer de colo uterino. (AU)