Busca avançada
Ano de início
Entree

Ressignificações do bordado arpillera no baixo Xingu e Alto Ribeira

Processo: 16/18776-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2017
Vigência (Término): 31 de maio de 2021
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Antropologia
Pesquisador responsável:Antonio Augusto Arantes Neto
Beneficiário:Ralyanara Moreira Freire
Instituição-sede: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Mulheres   Artesãos   Artesanato   Identidade de gênero

Resumo

Grupos de mulheres em diferentes regiões do Brasil vêm transformando retalhos de tecidos, agulhas e linhas em narrativas do cotidiano. Seus bordados adotam a linguagem das arpilleras, criada em Isla Negra, Chile. Eles denunciam experiências de exploração sexual e violência, assim como perdas socioambientais diretas ou provocadas indiretamente pela construção de grandes barragens. Ao se reunirem para bordar, essas mulheres refletem sobre sua nova realidade, fortalecem a sua coesão enquanto grupo e alimentam a consciência de sua condição de gênero. Esses processos acrescentam aos bordados, enquanto formas de expressão, o sentido de ferramenta política de denúncia feminina. Em face dessa realidade, este projeto propõe-se a pesquisar os novos usos e sentidos do bordado arpillera, tal como praticado por mulheres impactadas por barragens no Brasil. A hipótese é que as apropriações e ressignificações dessa forma de expressão disseminada pelo MAB - Movimento dos Atingidos por Barragens - revelam experiências de perda, ao mesmo tempo em que alimentam e fortalecem sentidos de identidades e territorialidades, empoderando mulheres no contexto das relações de gênero, em particular em relação às conjunturas locais. Para tanto, a pesquisa pretende focalizar a criação de arpilleras no contexto da vida cotidiana de mulheres em Altamira, Estado do Pará, localizada na parte baixa do rio Xingu, e em Iporanga, Estado de São Paulo, no alto do Ribeira, assim como a circulação desses bordados para além das localidades onde são criados. O estudo será desenvolvido a partir da observação participante e pautado pela bibliografia antropológica pertinente, tendo a comparação como perspectiva de análise.