Busca avançada
Ano de início
Entree

A utilização de relaxometria T2 como instrumento diagnóstico de doenças neurodegenerativas

Processo: 16/25538-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2017
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Marcondes Cavalcante Franca Junior
Beneficiário:Alexandre Motta Mecê
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Ferro   Ressonância magnética   Relaxometria   Doenças neurodegenerativas   Neurologia

Resumo

A deposição de ferro nos gânglios da base é um evento fisiológico que pode se relacionar com o envelhecimento. Entretanto, algumas doenças neurodegenerativas apresentam deposição excessiva de tal íon em determinadas regiões do sistema nervoso central, que podem ser evidenciados e estimados pela técnica de relaxometria de T2 (RT2) de Ressonância Magnética, técnica que parece bastante promissora. Estudo prévio da mesma esquipe de pesquisa estimaram níveis normais de RT2 para gânglios da base, sendo que a comparação de tais dados com imagens de pacientes portadores de patologias neurodegenerativas (como Doença de Parkinson - DP, Doença de Machado-Joseph - DMJ, Esclerose Lateral Amiotrófica - ELA e Ataxia de Friedreich - AF) faz-se necessária para a validação de tal metodologia como possível ferramenta diagnóstica e de entendimento da fisiopatologia de tais condições. Objetivo: determinar a concentração estimada de ferro, via RT2 de imagens de RM, em indivíduos diagnosticados com AF, ELA, DMJ e DP nos gânglios da base. Com os seguintes específicos: a) determinar se há níveis elevados em tais estruturas nas patologias mencionadas; b) determinar possível padrão de deposição de ferro para cada patologia; c) determinar a sensibilidade e especificidade da avaliação de RT2 na diferenciação de indivíduos controles e doentes. Materiais e Métodos: serão selecionados 191 pacientes (32 com diagnóstico de AF, 48 DMJ, 58 ELA, 53 DP) que realizaram RM de 3T do encéfalo incluindo a sequência T2 multiecho. Para cada paciente, serão delimitadas 4 estruturas (tálamo, núcleo denteado, globo pálido e substância negra) em ambos os lados. Para cada estrutura, serão obtidos os valores de RT2 utilizando o software Aftervoxel, com a seleção de 3 regiões de interesse em imagens seguidas em cada uma das estruturas mencionadas, obtendo-se um valor final da média dos três pontos. Para cada patologia, será realizada uma comparação com o padrão de normalidade de deposição de ferro conforme a idade obtido em estudo prévio da mesma equipe de pesquisadores; além da curva-ROC na determinação da sensibilidade e especificidade do método. (AU)