Busca avançada
Ano de início
Entree

Respostas fisiológicas e comportamentais de lagartos a alterações na qualidade alimentar e nos ambientes térmicos: uma abordagem da Fisiologia da Conservação frente à mudança climática global

Processo: 16/23599-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2017
Vigência (Término): 30 de novembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Carlos Arturo Navas Iannini
Beneficiário:Thiago Maia Ney Carneiro
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/16320-7 - Impactos das mudanças climáticas e ambientais sobre a fauna: uma abordagem integrativa, AP.PFPMCG.TEM
Assunto(s):Ecofisiologia   Fisiologia da conservação   Ecologia

Resumo

Espera-se que o ambiente biótico seja alterado devido à destruição antrópica e ao aquecimento global, o que pode resultar em modificação da dieta de lagartos devido a influências nas disponibilidades e qualidades de alimentos. Os reduzidos níveis de discrepância entre temperaturas ambientais e margens de segurança térmica nos trópicos e subtrópicos são sugestivos de que populações de organismos ectotérmicos estão próximas de ultrapassar ou excederam o limite onde as condições possibilitam a utilização adequada de componentes térmicos dos nichos. Estes impactos podem afetar aspectos fisiológicos e comportamentais e impor restrições quanto à manutenção de populações viáveis a longo prazo. O conhecimento sobre a capacidade compensatória de lagartos para amenizar os efeitos negativos advindos das mudanças climáticas permite prever impactos danosos nas e as respostas das populações às alterações no ambiente. Tropidurus torquatus é uma espécie de lagarto com ampla distribuição geográfica na América do Sul com populações no estado de São Paulo, Brasil. Neste projeto, proponho a realização de uma investigação com uma abordagem ecofisiológica relacionada ao conceito de fisiologia da conservação, que pressupõe que populações podem deteriorar como consequência de alterações ambientais. As questões a responder estão atreladas a três grandes eixos: (1) efeito indireto do ambiente sobre o ajuste fisiológico, (2) impacto da mudança térmica sobre o desempenho ecológico e (3) compensações via ajustes comportamentais e fisiológicos. Analisarei se a qualidade nutricional da dieta influencia taxas metabólicas e capacidades de aclimatação termal e se qualidade alimentar e ambientes térmicos influenciam o desempenho locomotor dos e a seleção de temperaturas pelos indivíduos. (AU)