Busca avançada
Ano de início
Entree

Adição de informação háptica para o controle da postura em adultos jovens e idosos (caidores e não caidores): análise comparativa dos paradigmas do toque leve e do sistema âncora

Processo: 17/05271-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de maio de 2017
Vigência (Término): 31 de agosto de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Pesquisador responsável:Renato de Moraes
Beneficiário:Vitor Marqueti Arpini
Instituição-sede: Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto (EEFERP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/02404-7 - Adição de informação háptica para o controle da postura em adultos jovens e idosos (caidores e não caidores): análise comparativa dos paradigmas do toque leve e do sistema âncora, AP.R
Assunto(s):Controle postural   Acidentes por quedas   Idosos

Resumo

Idosos caidores apresentam maior instabilidade postural do que seus pares não caidores. O uso de informação háptica adicional reduz a oscilação corporal em adultos jovens e idosos não caidores. Existem dois paradigmas com esse propósito: toque leve e sistema âncora. O toque leve consiste em tocar uma superfície rígida com a ponta do dedo indicador. O sistema âncora consiste em segurar em cada mão um cabo flexível com uma massa leve (125 g) anexada na extremidade que fica em contato com o chão. Apesar da redução da oscilação corporal com o uso desses paradigmas, não está claro se eles reduzem igualmente a oscilação corporal. Isso é importante, pois permite identificar se há vantagens no uso de um ou outro paradigma. Além disso, idosos caidores podem ter mais dificuldade de usar a informação háptica adicional fornecida por esses paradigmas, já que apresentam maior demanda de atenção para realizar suas ações motoras e o toque leve compete por atenção. Ainda, considerando que os paradigmas do toque leve e da âncora possuem pontos de contato diferentes (palma da mão para a âncora e ponta do dedo para o toque leve) e número de pontos de contato diferentes (duas mãos para o sistema âncora e uma mão para o toque leve) é importante analisar esses fatores para tornar a comparação entre os paradigmas mais efetiva. Assim, esse projeto tem o objetivo de analisar o efeito da adição de informação háptica sobre o controle da postura, assim como comparar o efeito dos paradigmas do toque leve e do sistema âncora, comparar o efeito de diferentes pontos de contato e comparar o efeito do número de pontos de contato sobre o controle da postura de adultos jovens e idosos caidores e não caidores. Para tanto, os participantes ficarão na postura ereta com os pés unidos e realizarão condições combinando o uso do toque leve/sistema âncora, pontos de contato (dedo e palma da mão) e número de pontos de contato com duas mãos e uma mão. Tanto a âncora quanto a barra de toque serão instrumentalizadas com um transdutor de força triaxial. Variáveis relacionadas com o deslocamento do centro de pressão e centro de massa corporal serão computadas. Espera-se que os resultados desse estudo permitam identificar mais claramente as diferenças entre os paradigmas do toque leve e do sistema âncora com relação ao controle da postura em adultos jovens, idosos caidores e idosos não caidores. Esses resultados têm implicações importantes, pois permitirão definir as vantagens de uso de um ou outro paradigma, assim como a relação entre a informação oriunda de diferentes pontos de contato (i.e., dedo e mão) e do número de pontos de contato (i.e., duas mãos e uma mão) sobre o controle da postura. (AU)