Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do peptídeo derivado da proteína NS3 na resposta imune celular de camundongos inoculados com vacinas inativadas do vírus Zika

Processo: 16/26145-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2017
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Aplicada
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Benedito Antônio Lopes da Fonseca
Beneficiário:Jonathan Ballico de Moraes
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Arbovirus   Virologia   Imunidade celular

Resumo

A Zika é uma enfermidade que afeta pessoas de muitos paises tropicais e subtropicais. O agente etiológico da doença é o vírus Zika (ZIKV), um flavivirus de RNA de fita simples, transmitido principalmente pela picada de mosquitos do gênero Aedes, mas com relatos de transmissão sexual, congênita e por transfusão de sangue. Devido a uma possível associação do ZIKV com a microcefalia e Síndrome de Guillain-Barré, é necessário desenvolver estratégias para a prevenção da doença. Entre eles, a melhor medida profilática é a vacinação. A proteína não estrutural NS3 tem sido relatada como um ativador da imunidade celular contra outros flavivírus, cuja atividade tem sido utilizada como um alvo contra infecções virais. Neste contexto, o objetivo deste projeto é testar a eficiência de um peptídeo da proteína NS3, em combinação com uma vacina inativada, visando aumentar a imunogenicidade desta vacina. A NS3 será clonada no vetor pET-26b e expressa em E. coli BL21(DE3). A proteína recombinante NS3 será purificada por cromatografia de afinidade em coluna de níquel. A inativação do ZIKV será realizada por meio de adição de formalina 0,05%. Combinações de NS3 e vacina inativada serão inoculados em 5 grupos de camundongos C56BL/6 e A129 nos dias 0, 7 e 14. No dia 21, o soro hiperimune será coletado dos camundongos C56BL/6 e será avaliado: 1) a produção de anticorpos específicos e neutralizantes contra ZIKV por teste de neutralização por redução de plaques (PRNT); 2) o perfil de citocinas para a resposta Th1 ou Th2 por ELISA e; 3) a existência de linfócitos T específicos contra NS3 por ELISPOT. Os camundongos A129 vacinados serão desafiados com o ZIKV selvagem e calculada a sobrevivência por 10 dias. Os resultados serão analisados pelo software R Studio. Esta abordagem possibilitará a avaliação de uma vacina eficaz e imunogênica para prevenir a infecção com o ZIKV e, consequentemente, o desenvolvimento e manifestações graves desta doença. (AU)