Busca avançada
Ano de início
Entree

O discurso sobre/da medicalização da infância: formulação e circulação de sentidos sobre o corpo infantil medicalizado na materialidade digital

Processo: 16/23118-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2017
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2017
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Linguística - Teoria e Análise Lingüística
Pesquisador responsável:Aline Fernandes de Azevedo Bocchi
Beneficiário:Bruno Monteiro Herculino
Instituição-sede: Coordenadoria Adjunta de Graduação. Universidade de Franca (UNIFRAN). Franca , SP, Brasil
Assunto(s):Psicologia da criança   Psicanálise   Medicalização   Internet   Comunicação digital   Análise do discurso   Infância

Resumo

Este projeto de pesquisa de iniciação científica que tem por objetivo compreender o funcionamento de discursos sobre/da medicalização da infância, ou seja, estudar seus modos de formulação e circulação de sentidos na constituição de um corpo infantil silenciado pela medicalização. Nele, intenta-se problematizar a relação entre as práticas de medicalização e consumo na sociedade contemporânea, observando como são constituídos os sentidos que significam os sujeitos e seus corpos. Para tanto, considera-se um corpus construído a partir de um trajeto temático na materialidade digital, compreendida como observatório de discursos, isto é, o gesto de construção do arquivo consiste em capturar fragmentos de discursos sobre/da medicalização da infância na internet, recortes de postagens e charges de blogs e redes sociais sobre o tema. A análise do discurso elaborada pelo filósofo Michel Pêcheux e desenvolvida por Eni Orlandi, além da psicanálise de orientação lacaniana, são os pressupostos teóricos fundamentais com os quais, no batimento entre descrição e interpretação, os sentidos produzidos para o corpo infantil medicalizado são examinados. Nas condições materiais de produção dos discursos sobre saúde e bem-estar, observa-se atualmente uma injunção à potência do corpo e um imperativo de normalização do comportamento da criança, materializados em discursividades que demandam uma escuta/leitura atenta aos processos ideológicos e inconscientes que as determinam. (AU)