Busca avançada
Ano de início
Entree

Contribuição da PKM2 para a ativação dos neutrófilos no estabelecimento do lúpus eritematoso sistêmico experimental

Processo: 17/01714-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2017
Vigência (Término): 31 de maio de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Geral
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:José Carlos Farias Alves Filho
Beneficiário:Juliana Escher Toller Kawahisa
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/08216-2 - CPDI - Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias, AP.CEPID
Assunto(s):Lúpus eritematoso sistêmico   Autoimunidade   Neutrófilos

Resumo

O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença autoimune inflamatória crônica, caracterizada pela formação de imunocomplexos e lesão a órgãos e tecidos. Embora a etiologia do LES permaneça desconhecida, os neutrófilos têm sido implicados como atores centrais no estabelecimento da doença, regulando a imunidade inata e adaptativa. Considerando evidências recentes de que a execução das funções dos leucócitos está intimamente ligada a uma modificação do seu estado metabólico, é plausível hipotetizar que alterações no metabolismo dos neutrófilos podem determinar um estado de ativação que contribui para o desenvolvimento da autoimunidade no LES. A piruvato quinase (PK) é uma enzima que regula a etapa final da glicólise, produzindo piruvato e ATP a partir de seu substrato fosfoenolpiruvato (PEP). Estudos recentes têm demonstrado que a piruvato quinase de tipo M2 (PKM2), um splice alternativo da PK, pode sofrer modificações pós-traducionais e translocar-se para o núcleo, atuando como cofator transcricional de STAT3 e HIF1a e, consequentemente, modulando a expressão de genes inflamatórios. Entretanto, o papel da PKM2 na regulação do metabolismo glicolítico dos neutrófilos e na patogênese do LES não está estabelecido. Assim, este trabalho tem por objetivo investigar se alterações na expressão e/ou função da PKM2 contribuem para a ativação do neutrófilo e estabelecimento do LES experimental. (AU)