Busca avançada
Ano de início
Entree

A dança das cadeiras: política externa, organizações dirigentes e circulação transnacional de elites na eleição de João Havelange à presidência da FIFA (1968-1976)

Processo: 17/01186-1
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 18 de setembro de 2017
Vigência (Término): 17 de março de 2018
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História do Brasil
Pesquisador responsável:Flavio de Campos
Beneficiário:Luiz Guilherme Burlamaqui Soares Porto Rocha
Supervisor no Exterior: Stefan Rinke
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Freie Universität Berlin, Alemanha  
Vinculado à bolsa:15/08123-0 - A dança das cadeiras: política externa, organização dirigente e circulação de elites transnacionais na eleição de Havelange à presidência da FIFA (1968-1976), BP.DR
Assunto(s):Futebol   Federação   Alianças estratégicas   Governo militar   Política

Resumo

Em 1974, o brasileiro João Havelange foi alçado à presidência da FIFA numa eleição em dois turnos contra então presidente da entidade Stanley Rous. Construindo uma aliança com os países do denominado Terceiro Mundo - Ásia, Oriente Médio e África -, a vitória do dirigente brasileiro causou espanto na imprensa internacional da época. Na narrativa do dirigente, a campanha é descrita como uma odisseia particular na qual o protagonista cruza dois terços do mundo na tentativa de angariar votos e desafiar o status quo institucional da entidade. Defende-se que esta eleição pode ser pensada como um evento histórico dotado de significação social. Aqui, a eleição se configura como uma janela política a partir do qual se radiografa a dinâmica internacional em um dado momento da Guerra Fria, em particular, a compreensão dos limites e das possibilidades da agência de países periféricos neste momento. O papel ativo que o Estado civil-militar e segmentos da sociedade civil brasileira detiveram na arquitetura da campanha indica a existência de um projeto político em torno da candidatura. Nesta trilha, este projeto busca compreender quais os atores sociais envolvidos, como se deu o processo de formação das redes e que agentes políticos estiveram diretamente envolvidos na campanha. (AU)