Busca avançada
Ano de início
Entree

Mudança nos atributos funcionais de plantas promovidas pela defaunação

Processo: 17/10036-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2017
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Pesquisador responsável:Mauro Galetti Rodrigues
Beneficiário:Bruna Cabral Tamasauskas
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro, SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/01986-0 - Consequências ecológicas da defaunação na Mata Atlântica, AP.TEM
Assunto(s):Restauração florestal   Animais herbívoros   Mata Atlântica   Ecologia vegetal   Banco de dados

Resumo

A defaunação e fragmentação florestal são uma ameaças às florestas tropicais e podem gerar efeitos a diversos organismos. Nos últimos anos, tem ganhado destaque a avaliação de atributos funcionais como forma de medir as respostas dos ecossistemas aos distúrbios antrópicos, permitindo inferências sobre funções ecossistêmicas importantes para o bem-estar humano. Atualmente, os pesquisadores buscam utilizar um mesmo protocolo de coleta de atributos funcionais para tornar viável e confiável análises regionais e/ou globais, voltadas para a maior efetividade no manejo e conservação de ecossistemas. Dessa forma, essa pesquisa se propõe a avaliar o efeito da defaunação e exclusão de grandes herbívoros na composição funcional da regeneração florestal em remanescentes conservados de Mata Atlântica. Adicionalmente, será criado um banco de dados de atributos funcionais foliares de espécies arbóreas da Mata Atlântica, utilizando-se de espécies amostradas nas áreas experimentais acima referidas e de espécies presentes em outros remanescentes florestais de Mata Atlântica no estado de São Paulo. Serão avaliados os seguintes atributos: espessura da folha (mm), área foliar (mm2), conteúdo de matéria seca foliar (g/g), área foliar específica (g/cm²), massa foliar específica (cm²/g), resistência mecânica da folha (N) e concentração de carbono e de nitrogênio (%). (AU)