Busca avançada
Ano de início
Entree

Essencialismo, modalidade e teoria da referência direta

Processo: 16/25913-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2017
Vigência (Término): 31 de agosto de 2019
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Filosofia - Epistemologia
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Marco Antonio Caron Ruffino
Beneficiário:Thainá Coltro Demartini
Instituição-sede: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):18/15705-3 - O Papel da Referência em Questões Metafísicas, BE.EP.MS
Assunto(s):Semântica   Essência   Metafísica

Resumo

O presente projeto tem por objetivo, em primeiro lugar, investigar quais são as teses de Kripke acerca da noção de essência e propriedades essenciais. E, em segundo lugar, avaliar os argumentos que Salmon e Fine formulam contra a teoria kripkiana. A questão central é: Kripke, em sua teoria, deriva o essencialismo estritamente de sua teoria semântica? Ao que parece, esta é sim uma interpretação possível de seus argumentos, posto que Kripke recorre à sua teoria da referência direta - cerne de sua teoria semântica - ao argumentar acerca de quais são as propriedades essências de um objeto ou classe de objetos. Este fato levanta a questão: Qual (se há alguma) é a noção de essência implícita na teoria semântica de Kripke? A análise de sua teoria e as implicações desta se inserem, num contexto mais amplo, numa discussão a respeito da possibilidade de redução da noção metafísica de essência a questões de linguagem. Salmon e Fine argumentam contra essa ideia. Para eles, a noção de essência de Kripke não pode ser justificada exclusivamente através de sua teoria da referência direta e nem compreendida em termos estritamente modais. Nosso estudo é, em parte, reconstituir os argumentos destes três autores, analisando as reais consequências da teoria kripkiana e a pertinência das críticas a ela direcionada. E, em parte, participar da discussão mais abrangente acerca dos limites entre o campo da semântica e da metafísica. (AU)