Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigação de novos alvos terapêuticos a partir de redes transcricionais de genes do fuso mitótico associadas com vias de desenvolvimento embrionário no ependimoma: enfoque nos subgrupos moleculares de pior prognóstico

Processo: 16/19820-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2017
Vigência (Término): 31 de julho de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Luiz Gonzaga Tone
Beneficiário:Taciani de Almeida Magalhães
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/20341-0 - Interação entre alvos terapêuticos emergentes e vias de desenvolvimento associadas à tumorigênese: ênfase em neoplasias da criança e do adolescente, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):18/18842-1 - O papel da via de sinalização HH em ependimoma, BE.EP.DR
Assunto(s):Oncologia pediátrica   Ependimoma

Resumo

O ependimoma (EPN) é a terceira neoplasia cerebral mais frequente na infância, porém pode acometer também adolescentes e adultos. Apesar do tratamento padrão (ressecção cirúrgica seguida de radioterapia), cerca de 50% dos pacientes com EPN pode ir a óbito devido à resistência às terapias e recorrência do tumor. Em razão de tal fato, métodos genômicos de alto rendimento e abordagens computacionais podem permitir a descoberta de alvos moleculares mais específicos para terapia dos tumores ependimários de pior prognóstico, já que estas abordagens possibilitam o levantamento de interações moleculares complexas. Nessa busca de novos alvos, destacam-se as proteínas do fuso mitótico: MADs e BUBs, bem como as CDKs, PLKs e AURKs, as quais estão envolvidas com as alterações cromossômicas e tumorigênese de diversas neoplasias. Porém, carecem relatos que detalhem o papel dessas proteínas no EPN. Estudos recentes sugerem que essas proteínas também podem estar envolvidas com a regulação das vias de desenvolvimento Wnt, Notch e Shh durante a progressão de diversos tumores. No entanto, não há estudos que relatem a interação dessas proteínas com as vias de desenvolvimento em EPN. Nesse contexto, acreditamos que as proteínas do fuso mitótico podem estar associadas com as vias de desenvolvimento durante a tumorigênese dos subgrupos de EPN de pior prognóstico. Portanto, a proposta de investigação do presente projeto é identificar redes transcricionais de genes do fuso mitótico associadas com uma ou mais vias de desenvolvimento nos tumores ependimários de pior prognóstico. Esta investigação poderá fornecer novas perspectivas moleculares para a identificação de marcadores de prognóstico e novas estratégias terapêuticas. (AU)